Chama-se Nuno Fraga Coelho, tem 41 anos e será em breve um dos assessores de imprensa mais conhecidos do país. Contratado pelos advogados João Araújo e Pedro Delille terá como função servir de intermediário entre a defesa de José Sócrates e a comunicação social no processo judicial mais mediatizado dos últimos anos em Portugal.

Em declarações ao Observador, Fraga Coelho começa por dizer que compreende “o interesse jornalístico sobre esta matéria mas não é o assessor de imprensa que deve ser notícia”, acrescentando, contudo, que ficou “muito orgulhoso com o convite” e que foi com “muita honra” que decidiu “aceitá-lo”.

Fraga Coelho fala do “desafio” que representa este caso. “Estou consciente das dificuldades deste caso, tendo em conta a atenção mediática e as paixões que o caso gera mas sei que vai ser um desafio profissional muito interessante”.

“Acredita na inocência de José Sócrates? Claro que acredito. Se não acreditasse, não assumiria a comunicação da sua defesa”, afirmou o assessor.

Nuno Fraga Coelho é conhecido nas redes sociais por defender acerrimamente os pontos de vista oficiais do PS, criticando duramente o governo de Passos Coelho e Paulo Portas. O consultor de comunicação não esconde o facto de ser militante do PS, apesar de fazer questão de referir que não participa activamente na vida interna do partido.

Vimaranense de gema, frequentou o curso de Gestão e Planeamento em Turismo da Universidade de Aveiro e licenciou-se em Comunicação Social pela Universidade do Minho, em Braga. Esteve muito pouco tempo nas redacções, tendo estagiado no jornal “Correio do Minho” e colaborado três meses com o site “Portugal Diário”.

Em 2004 iniciou uma colaboração de oito anos com a Câmara de Guimarães, sendo assessor do presidente António Magalhães (PS). Emigrou para o Luxemburgo em 2012, onde esteve 10 meses a trabalhar no Consulado Geral de Portugal.

Entrou na agência de comunicação Cunha Vaz & Associados no verão de 2013, tendo trabalhado essencialmente durante dois anos na área de assessoria política a diversas autarquias e na área de assessoria institucional a diversas empresas, segundo confirmou o próprio Fraga Coelho.

Esta segunda-feira informou António Cunha Vaz, dono da agência, de que iria aceitar o convite endereçado pelos advogados de José Sócrates. A sua colaboração com a defesa do ex-primeiro-ministro é feita a título individual e nada tem a ver com a Cunha Vaz & Associados – com a qual deixou de ter vínculo.