Rádio Observador

Legislativas 2015

Luís Bernardo: “Derrota humilhante e o político que perdeu o respeito por si próprio”

6.767

A forma como conquistou o partido, a contradição de líder que vence por poucochinho ter que sair e líder que perde claramente querer continuar (...) é do político que perde o respeito por si próprio.

LUSA

A grande dúvida desta noite foi se a Coligação conseguiria chegar à maioria absoluta ou não. Acontece que este resultado era impensável até há um ano.

Por isso e pelo volume dos resultados foi uma grande vitória da Coligação que apesar de perder mais de 10% em relação a 2011 (juntando resultados do PSD e CDS/PP) conseguiu uma vantagem muito significativa sobre o PS, o grande derrotado da noite.

Mas o mais confrangedor desta noite foi verificar o desespero com que o líder do PS se agarrou ao poder, não tirando qualquer consequência das suas responsabilidades e caindo na figura incompreensível do derrotado mais satisfeito da história da democracia portuguesa.

Num discurso confuso, em que não se percebeu até onde pretende ir num eventual acordo à sua esquerda, deu mais uma prova porque não mereceu a confiança dos portugueses.

António Costa falhou em toda a linha e partindo com o objetivo de obter uma maioria absoluta não sai porque, afinal, a coligação não conseguiu obter essa mesma maioria.

A forma como conquistou o partido, a contradição de líder que vence por poucochinho ter que sair e líder que perde claramente querer continuar, numa perspetiva lamentável de colocar os seus interesses pessoais, acima dos interesses do PS e do país é o elemento mais caracterizável do político que perde o respeito por si próprio.

Por tudo o que disse, pela forma como conquistou o partido, e não se iluda, pela enorme desilusão que constituiu para milhares de socialistas, António Costa só tinha uma saída digna, demitir-se.

E tenha como certo que aquele ambiente artificial triunfal do Altis contrasta com o sentimento do país. Dos militantes do seu partido e dos portugueses que ansiavam por uma mudança.

O PS tem de virar a página.

Terminar este seu ciclo Santanista, com uma liderança sustentada por uma elite que a todo o custo se quer perpetuar na política.

Respeitando a sua história, mas não sendo refém dela, o que a tem levado a derrotas sucessivas – com exceção do ciclo liderado por António José Seguro.

O papel de uma oposição construtiva e responsável é tanto mais importante quando se perspetiva um Governo de maioria relativa.

A capacidade de influenciar o Governo de direita será tanto maior, quanto for a capacidade do PS saber qual o seu papel para o futuro de Portugal.

Por contraste, vencedores da noite de forma indiscutível, foi a Coligação, apesar dos quatro anos de enorme austeridade impostas aos portugueses, Passos Coelho e Paulo Portas, mas também, o Bloco de Esquerda que surgiu aos olhos de muitos como a alternativa mais consistente ao Governo.

O PCP manteve e não cresceu, o que é pouco perante o quadro de contestação que o pais conheceu e os pequenos partidos desiludiram.

Em conclusão, a coligação tem que ter a humildade de perceber, o que os portugueses lhes disseram, perderam mais de 600 mil votos porque muitos  estão cansados de tanta austeridade, mas deram-lhes uma nova hipótese para que possam governar numa fase mais próspera para o país.

Quanto ao PS  que esteja a altura das suas responsabilidades, pois só com um projeto reformista e de futuro poderá voltar a ter a confiança da maioria dos Portugueses.

* Luís Bernardo, consultor de comunicação, ex-assessor de José Sócrates e António Guterres e ex-consultor de António José Seguro.

PARA VOLTAR AO MENU PRINCIPAL DAS OPINIÕES CLIQUE AQUI.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedro Passos Coelho

Quem tem medo de Passos Coelho?

Rui Ramos
1.960

Na história portuguesa, Passos Coelho foi o primeiro chefe de governo que, num ajustamento, não pôde dissimular os cortes com desvalorizações monetárias. Governou com a verdade. 

Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

PSD/CDS

A beira do precipício

José Ribeiro e Castro
105

A visão da beira do precipício serve para despertar. Se não querem deixar Portugal totalmente submetido à esquerda, PSD e CDS têm de fazer mais no tempo que falta. Sobretudo fazer melhor. E desde já.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)