O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, afirmou, esta quinta-feira, que a instituição vai “reexaminar a sua política monetária” na reunião de dezembro. “Queremos estar vigilantes, como se dizia antigamente”, afirmou o italiano numa declaração que foi entendida pelos analistas como um sinal claro de que pode estar na calha um reforço do programa de compra de ativos

O presidente do BCE, que falava numa conferência de imprensa em Malta, onde decorreu a reunião de política monetária do BCE, reconheceu que a inflação na zona euro vai permanecer a um nível muito baixo, no curto prazo. É para tentar estimular essa taxa de inflação, que o BCE idealiza perto de 2%, que podem ser reforçados os estímulos monetários.

A palavra “vigilante” era frequentemente utilizada por Jean-Claude Trichet, antecessor de Draghi no BCE, para sinalizar que estariam para breve alterações na política monetária. Daí que os economistas acreditem que, com a inflação em níveis quase nulos, o Banco Central Europeu poderá fazer um reforço do programa de compra de ativos na próxima reunião, em dezembro.

Na reunião desta quinta-feira, o Conselho de Governadores decidiu deixar inalterada a taxa de juro diretora em 0,05%, um mínimo histórico que se mantém desde setembro de 2014.

O BCE tem apoiado a economia com taxas de juro muito baixas, com empréstimos aos bancos e um vasto programa de compra de dívida pública e privada ao ritmo de 60 mil milhões de euros por mês, uma iniciativa que começou em março e deve durar pelo menos até setembro de 2016.