Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O grupo radical islâmico nigeriano Boko Haram reivindicou a autoria do atentado que matou 22 pessoas em Kano, no norte da Nigéria, escreve a agência noticiosa francesa AFP. O bombista suicida que se fez explodir no meio de uma procissão de muçulmanos xiitas, na sexta-feira, causou ainda 38 feridos.

Uma testemunha contou que o bombista estava vestido de negro, correu em direção à multidão e fez-se explodir. Os militantes sunitas do Boko Haram acusam os xiitas de serem “politeístas” e avisa que vai continuar com os ataques até que todos sejam “erradicados” do planeta.

Os jihadistas querem criar um Estado Islâmico no nordeste da Nigéria. Em seis anos, já causaram a morte a pelo menos 17 mil pessoas. Na semana passada, uma mulher também se fez explodir no país, vitimano sete pessoas.

Muhammadu Buhari, presidente da Nigéria, deu aos comandantes das Forças Armadas até ao próximo mês para que conseguissem terminar o conflito, mas os ataques suicidas — estratégia preferida dos jihadistas — sucedem-se.

Apesar do atentado, Ali Kakaki, um dos organizadores da procissão, disse que o Movimento Islâmico da Nigéria continuou a marcha desde Kano, no nordeste do país, até à cidade vizinha de Kaduna, numa celebração que assinala a morte de Hussein, neto do profeta Maomé.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR