Albufeira, 04 dez (Lusa) – O presidente executivo da TAP disse hoje que a eventual reversão da privatização é uma solução política que tem que ser encontrada, mas considera esse processo difícil e lembra que já gastou metade do dinheiro que entrou com a venda.

“Não sei como se reverte a privatização. Entraram 180 milhões de euros e eu já gastei metade”, respondeu hoje Fernando Pinto à pergunta das agências de viagens sobre como vê esta intenção da atual maioria parlamentar.

“Eu entendo a base política, mas uma coisa é a que se gostaria e outra é a que é possível. Ando há 15 anos a procurar alguém para investir na TAP (…). Tudo é possível, mas acho muito difícil. Estamos num caminho muito bom. Tem que se achar uma solução política para que todos fiquem satisfeitos”, considerou ainda o responsável.

Fernando Pinto respondia às questões da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), num painel integrado no 41.º Congresso da APAVT, que decorre em Albufeira.

O governo de Passos Coelho aprovou a minuta final do acordo relativo à privatização da TAP no dia 12 de novembro, entregando 61% do capital da transportadora aérea ao consócio Gateway (do americano David Neeleman e Humberto Pedrosa), contra as reivindicações dos socialistas.

Na altura, o então secretário-geral do PS, António Costa, disse ainda acreditar que seria “possível e razoável” o Estado manter 51% da TAP, “no quadro da lei e em negociação com os compradores”.

No programa de Governo apresentado pelos socialistas, o PS mantém a intenção de manter “a titularidade sobre a maioria do capital social da TAP”.