O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) vai reunir-se na próxima quinta-feira para discutir as violações dos direitos humanos na Coreia do Norte, conforme anunciaram esta sexta-feira os diplomatas norte-americanos nas Nações Unidas.

O encontro foi convocado depois de nove membros do Conselho de Segurança, incluindo a Grã-Bretanha, a França e os Estados Unidos, terem apelado para que se realizasse uma reunião — a segunda sobre o tema –, numa missiva endereçada à embaixadora norte-americana junto da ONU, Samantha Power. Os Estados Unidos presidem ao Conselho durante o mês de dezembro.

“Temos a intenção de reunir o Conselho de Segurança [da ONU] sobre a situação na Coreia do Norte na quinta-feira, dia 10, às 14h30 locais”, indicou a porta-voz da missão norte-americana nas Nações Unidas Hagar Chemali, em comunicado.

Em novembro, a Coreia do Norte “rejeitou categoricamente” uma resolução da ONU denunciando as “sistemáticas, generalizadas e flagrantes” violações dos direitos humanos no país.

A resolução, adotada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, exigia a Pyongyang “o encerramento imediato dos seus campos de prisioneiros políticos” e a libertação destes sem qualquer tipo de condição.

Segundo uma comissão de inquérito da ONU, 100 mil prisioneiros políticos encontram-se detidos em condições desumanas. A Assembleia Geral da ONU tem vindo a condenar o regime de Pyongyang — devido a abusos de direitos humanos — desde 2005, sem efeito.

No Conselho de Segurança, as resoluções sobre a Coreia do Norte enfrentam o veto da China, o único aliado do regime comunista.