O PSD pedia a audição com urgência do ministro das Finanças, e o pedido foi aprovado por unanimidade na comissão parlamentar de orçamento e finanças. Durante a discussão, surgiu a questão, colocada pelo PS, de ouvir também o governador do Banco de Portugal sobre o tema. A audição acabou por ser acrescentada ao requerimento e, consequentemente, aprovada também.

A data da audição é que ainda não foi consensualizada. Inicialmente estava previsto que Mário Centeno fosse ouvido no dia 27, dia em que estaria no Parlamento para uma outra audição, mas o governo acabou por transmitir a sua indisponibilidade, ficando para dia 3 de fevereiro. A audição de Carlos Costa ainda não está decidida, ficando a questão da agenda por resolver.

Desde o colapso do Banif, esta é já a segunda vez que o ministro das Finanças é chamado ao Parlamento para justificar o processo de resolução e venda do banco. Em dezembro, quando o Governo apresentou o orçamento retificativo na sequência do caso Banif,

Na sequência de um pedido do PSD, o Parlamento agendou para o próximo dia 22 de janeiro a discussão da criação da comissão de inquérito ao Banif. Os sociais-democratas querem também a realização de uma auditoria externa ao banco. Entretanto os partidos da esquerda parlamentar preparam-se para apresentar também um texto conjunto sobre a constituição da comissão de inquérito.