Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi o pior desempenho de sempre para o iPhone. As vendas do smartphone da Apple cresceram 0,4% no último trimestre de 2015, registando o ritmo mais brando desde que foi lançado o primeiro modelo em 2007. Se no último trimestre de 2014 a marca vendeu 74,5 milhões de smartphones, um ano depois vendeu apenas mais 300 mil – cerca de 74,8 milhões aparelhos, segundo a BBC.

Os modelos que a Apple lançou em outubro de 2015 — o iPhone 6s e o o iPhone 6s Plus — não entusiasmaram muito os consumidores. Conta o Wall Street Journal que a culpa foi das poucas novidades que apresentaram face aos modelos anteriores, o iPhone 6 e 6 Plus.

Na terça-feira, a Apple apresentou os resultados do trimestre que acabou a 26 de dezembro de 2015: atingiu 75,9 mil milhões de dólares (cerca de 70 mil milhões de euros) em receitas. As estimativas para o atual trimestre são mais pessimistas — a empresa liderada por Tim Cook estima que no final dos primeiros três meses de 2016 as vendas caiam pela primeira vez em 13 anos, para um valor que oscile entre 46,1 mil milhões e 48,9 mil milhões de euros.

As vendas dos iPhone representam cerca de dois terços das receitas da Apple, o que faz levantar algumas dúvidas sobre as perspetivas de crescimento da empresa liderada por Tim Cook. A tecnológica referiu que o abrandamento da economia na China e a valorização do dólar também contribuíram para os resultados pouco animadores.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ao Wall Street Journal, Kevin Kelly, sócio da Recon Capital Partners e responsável pela gestão de 40 mil ações da Apple, afirmou que a empresa pode precisar de baixar os preços e sacrificar a rentabilidade para recomeçar a crescer. “Vai chegar o dia em que a Apple vai precisar de comprometer as suas margens ou os picos de venda”, referiu.

O que aí vem

Tim Cook está mais otimista. Numa entrevista à mesma publicação, explicou que a empresa não vive nem investe “em trimestres de 90 dias”. “Estou mesmo convencido que as coisas que estamos a fazer estão corretas e que os ativos que temos são enormes”, referiu.

Apesar das notícias, a Apple continua a ser uma das empresas mais rentáveis que a história conheceu. No último trimestre do ano, o resultado líquido cresceu 1,8%, atingindo 18,36 mil milhões de dólares, as receitas cresceram 1,7% para 75,87 mil milhões de dólares – registando o ritmo mais brando desde junho de 2013.

Nos planos da empresa fundada por Steve Jobs está o lançamento de um serviço de streaming de televisão e um carro elétrico

Esta semana, surgiram notícias de que a Apple estaria a preparar o lançamento de um novo iPhone, mais pequeno e mais barato do que os modelos mais recentes. O “iPhone 5se” será do tamanho do iPhone 5, mas terá novas funcionalidades: uma melhor câmara fotográfica e o sistema de pagamento virtual Apple Pay.