Crise dos Refugiados

Parlamento condena “precedente chocante” aberto pela Dinamarca

1.536

Parlamento vai aprovar um voto de condenação pela nova lei do asilo aprovada na Dinamarca que prevê o confisco de valores a migrantes. Todos os partidos assinam por baixo. PS quer ouvir embaixador.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Parlamento vai aprovar esta sexta-feira um voto de condenação pela aprovação, no Parlamento da Dinamarca, de uma reforma da lei do asilo que prevê o confisco de valores a migrantes. Trata-se de um voto “duro”, segundo descreve o deputado socialista Sérgio Sousa Pinto, autor do texto, que tem a assinatura de todas as bancadas parlamentares. O PS entretanto já apresentou um requerimento para ouvir no Parlamento o embaixador da Dinamarca com “urgência”. A audição deverá decorrer para a semana.

Em causa está o facto de o Parlamento dinamarquês ter aprovado, esta terça-feira, um novo pacote legislativo sobre imigração e asilo que prevê a possibilidade de o Estado confiscar bens a refugiados a quem tenha sido autorizada a permanência naquele país, no valor excedente a 1.340 euros. A reforma, apresentada em dezembro, foi proposta pelo partido anti-imigração Partido do Povo Dinamarquês, aliado do governo minoritário de Lars Lokke Rasmussen. É um “retrocesso político, jurídico, social e civilizacional”, dizem os deputados.

A referida legislação constitui, tanto do ponto de vista humanitário como do mais elementar respeito pelos direitos consagrados na Convenção Europeia dos Direitos do Homem, de que o Reino da Dinamarca é signatário, um chocante precedente”, lê-se no documento.

Ao Observador, Sérgio Sousa Pinto, que preside à comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros, confirmou que o voto foi consensualizado com todos os grupos parlamentares, pelo que será amanhã aprovado com unanimidade. “É uma circunstancia rara de uma convergência de todos os partidos”, nota o deputado socialista ao Observador, que sublinha que a Assembleia da República “fez o seu papel” no que à condenação da legislação diz respeito. O Governo ainda não se pronunciou sobre o tema.

“Aquela que é já internacionalmente apelidada de “lei das jóias”, além de se prestar a comparações históricas que repugnam à consciência universal, e europeia em particular, sinaliza um evidente retrocesso politico, jurídico, social e civilizacional, onde a ponderação equilibrada das soluções e a solidariedade humana cedem lugar a um populismo contrário aos valores da humanidade e da civilização, cuja génese europeia nos honra acima de tudo, e que inspiram com caráter matricial, a construção da Europa unida, posterior a 1945″, acrescenta o texto.

No fim, os deputados acrescentam que a Assembleia da República exprime o seu “veemente repúdio” pela aprovação daquela lei por parte da Dinamarca por se tratar de um “flagrante desrespeito por valores fundamentais inerentes à dignidade humana”.

Entretanto, o PS requereu a presença “urgente” do embaixador da Dinamarca em sede de comissão parlamentar dos Assuntos Europeus. De acordo com Sousa Pinto, o embaixador já terá manifestado a sua disponibilidade em comparecer e a audição deverá decorrer para a semana.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)