Rádio Observador

Mercados Financeiros

Risco da dívida sobe para máximos do pós-troika

1.385

Desde o verão de 2014, final do programa de ajustamento, que o risco da dívida portuguesa não era tão elevado. Impasse com Bruxelas e receio de corte do "rating" está a pesar no risco português.

© Hugo Amaral/Observador

O risco implícito da dívida pública portuguesa subiu esta terça-feira para os níveis máximos desde o verão de 2014, imediatamente após o programa de resgate financeiro da troika. O arrastar das negociações com a Comissão Europeia sobre o Orçamento do Estado para 2016 e o receio de que a DBRS venha a cortarrating português estão a levar os investidores a pedirem juros mais elevados para comprarem obrigações do Tesouro português.

Com a taxa a 10 anos de Portugal a subir seis pontos-base nesta terça-feira para 2,99%, a diferença entre os juros de Portugal e a referência da dívida alemã saltou para os 265 pontos-base (ou seja, 2,65 pontos percentuais). Este é o indicador mais relevante para medir o risco da dívida portuguesa, já que expurga o juro absoluto de fatores como a taxa diretora do BCE e as expectativas de inflação. Como se diz neste Explicador sobre o mercado de dívida pública, é esse spread entre a dívida portuguesa e a alemã que reflete as reais condições de financiamento do Estado português.

Spread dos juros sobe para níveis do pós-troika

FEB2

O “spread” da dívida pública nacional está em 265 pontos-base, ou seja, mais 2,65 pontos percentuais do que aquilo que é cobrado à Alemanha.

A subida de seis pontos-base na yield a 10 anos aconteceu num dia em que em Espanha, apesar da indefinição política que se vive no país-vizinho, os juros subiram apenas dois pontos-base (para 1,59%, no caso espanhol). Estes não são custos efetivamente pagos pelos Tesouros públicos, por se tratar de transações feitas entre investidores com dívida já emitida, mas servem de referência para aquilo que os Estados terão de pagar se forem ao mercado buscar novo financiamento.

E porquê a subida do risco português? A pergunta foi feita no texto publicado no domingo à noite Todos os nomes. O que este orçamento já ouviu. Uma notícia que o Expresso publicou este sábado, citando uma fonte do governo socialista, explicava a maior perceção de risco da seguinte forma: “O caso do Novo Banco é o que está a dar mais problemas na nossa imagem, foi o que mais nos fragilizou lá fora, e não o Orçamento do Estado ou o facto de termos um governo apoiado por comunistas e bloquistas”.

Ao Observador, David Schnautz, analista do Commerbzank, disse, na semana passada, que “os mercados internacionais estão nervosos. Os investidores estão, neste momento, mais atentos aos riscos do que às oportunidades, o que cria um contexto pouco favorável para Portugal”. O especialista aponta o dedo “à marcha-atrás que o novo governo está a fazer, comparativamente às políticas que estavam a ser seguidas e que eram do agrado dos investidores e das agências de rating“.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)