O avião do presidente dos Estados Unidos da América é uma das aeronaves mais conhecidas do mundo, mas voar a bordo do Boeing 747-200B presidencial não está ao alcance de todos. A Casa Branca tem regras restritas em relação a quem integra ou não a comitiva de Barack Obama e todos os que podem viajar com o presidente dos EUA têm que passar apertados controlos de segurança.

Jon Sopel, um dos correspondentes da BBC para a América Norte, relatou a sua experiência como um dos treze jornalistas autorizados a viajar com Barack Obama e contra como é pertencer a este grupo e estar dentro da “bolha”. A “bolha” é a designação utilizada para descrever o grupo cujos membros são considerados “limpos” – ou seja, pessoas que não são consideradas uma ameaça em termos de segurança e podem viajar no avião do presidente dos EUA.

No dia do voo, os jornalistas reúnem-se no hotel onde o presidente está hospedado e antes de subirem a bordo, as malas de quem está no grupo são farejadas por um cão e depois inspecionadas por dois membros dos serviços secretos. Só após passarem por um detetor de metais e entrarem no autocarro que os leva ao avião é que estão oficialmente na “bolha” do grupo de imprensa que é vigiado de perto pelos serviços secretos.

Barack Obama a bordo do avião presidencial numa fotografia divulgada pela Casa Branca

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Várias vezes ao longo da viagem um assessor de imprensa da Casa Branca vai gritando: “Grupo da imprensa, estamos em movimento!”. Os jornalistas não têm permissão para sair do local e seguem o presidente para todos os locais onde ele vai. Todos os jornalistas recebem as informações em simultâneo, para que nenhum do grupo tenha uma vantagem competitiva e possa dar determinada notícia primeiro.

O Air Force One, também conhecido como “sala oval voadora”, tem 372 metros quadrados de espaço interior, distribuídos por três andares com uma sala de conferências que se transforma em sala de jantar, aposentos separados para o presidente e a primeira-dama e capacidade para fornecer 100 refeições de uma só vez. Para além dos aposentos para descansar, o presidente do EUA tem também um ginásio a bordo e permanece acessível às comunicações a partir do chão a todo o momento. Há sempre um médico a bordo e um dos compartimentos do avião pode ser transformado num gabinete médico.

US President Barack Obama signs a bill that will give the Congressional Gold Medal to the Foot Soldiers who Participated in Bloody Sunday in Selma, Alabama, in his office aboard Air Force One as he flies to Alabama on March 7, 2015. Obama is traveling to participate in an event commemorating the 50th anniversary of Bloody Sunday, when civil rights marchers attempting to walk to the Alabama capital of Montgomery to end voting discrimination against African Americans clashed with police. AFP PHOTO / SAUL LOEB (Photo credit should read SAUL LOEB/AFP/Getty Images)

Barack Obama a trabalhar a bordo da “sala oval voadora”

O conforto a bordo foi testemunhado por Jon Sopel, que conta que não precisou de cartão de embarque – desde que se faça parte da “bolha” não é necessário mais nada – nem tinha um número de lugar atribuído. Quando chegpou à secção do avião destinada à imprensa, o jornalista encontrou o lugar através de um cartão colocado em cima de uma confortável almofada com o selo presidencial, onde estava escrito: “BBC, bem-vinda a bordo do Air Force One.” Os assentos são maiores do que estava à espera, mas não reclinam completamente.

Dentro da aeronave, a regra das deslocações diz que só são possíveis em direção à traseira do avião. Barack Obama viaja na parte da frente e é um dos poucos que pode movimentar-se por todo o lado.

AMSTERDAM, NETHERLANDS - MARCH 25: U.S. President Barack Obama walks up the stairs of Air Force One before leaving Amsterdam Airport Schiphol March 25, 2014 in Amsterdam, Netherlands. Obama attended the two-day Nuclear Security Summit in The Hague. (Photo by Koen Van Weel-Pool/Getty Images)

O presidente dos Estados Unidos da América a embarcar no avião presidencial onde viaja na frente da aeronave

Para decidir que filme se vai ver a bordo há uma votação, as refeições são servidas em pratos de louça e não em recipientes de alumínio, como noutros voos comerciais. No dia em que o repórter viajou no avião presidencial foi servido filé mignon, salada e cheesecake como sobremesa. O selo presidencial está por todo o lado, incluindo nos guardanapos que também têm a inscrição “a bordo do avião presidencial”, uma lembrança possível de levar do avião.

Mais apetecível como lembrança são as caixas de chocolates M&Ms exclusivas do Air Force One, também com o selo presidencial e uma imagem de Barack Obama. Jon Sopel teve também direito a um certificado assinado pelo comandante do avião a dizer que foi convidado do presidente.

Jon Sopel viajou no Air Force One como repórter incluído na recente viagem oficial de Barack Obama à Arábia Saudita.