Augusto Santos Silva

Santos Silva: palavras de Schäuble são “inamistosas”. Já foi feita queixa a Berlim

Santos Silva considera as declarações do ministro alemão das Finanças sobre um eventual segundo resgate de Portugal são "injustificadas e inamistosas". Queixas já seguiram para Berlim.

"Não há nada na situação económica e orçamental portuguesa que possa justificar essas declarações"

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autores
  • Miguel Santos Carrapatoso
  • Agência Lusa

O Governo português “já fez saber pelo canal diplomático apropriado” que Portugal reprova as declarações do ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble. A garantia foi dada por Augusto Santos Silva, depois de considerar as palavras de Schäuble “injustificadas e inamistosas”.

Na quarta-feira, Schäuble afirmou que Portugal está a pedir “um segundo programa” e que “vai consegui-lo”, mas depois suavizou o tom e disse que o país pode precisar de novo resgate “se não cumprir as regras europeias”.

Esta sexta-feira, em declarações à agência Lusa, à margem de uma conferência em Lisboa organizada pela Confederação Empresarial de Portugal (CIP), Augusto Santos Silva deixou claro que “o Governo português considera essas declarações injustificadas e inamistosas”, sublinhando, no entanto, que “o incidente está encerrado”.

“Portugal e a Alemanha são países muito amigos, o canal diplomático funciona em ambos os sentidos e consideramos que a resposta alemã é muito satisfatória”, disse ainda o ministro dos Negócios Estrangeiros, garantindo que “não há nada na situação económica e orçamental portuguesa que possa justificar essas declarações”.

De acordo com a agência Bloomberg, depois de Wolfgang Schäuble ter dito, numa conferência em Berlim, que Portugal está a pedir “um novo programa” e que “vai consegui-lo”, o ministro alemão veio corrigir as suas declarações para afirmar que “os portugueses não o querem e não vão precisar [de um segundo resgate] se cumprirem as regras europeias”.

No mesmo dia, o Ministério das Finanças garantiu que não está a ser considerado qualquer novo resgate: “Tendo em conta as declarações do ministro alemão das finanças, Wolfgang Schäuble, e ainda que tendo sido imediatamente corrigidas pelo próprio, o Ministério das Finanças esclarece que não está em consideração qualquer novo plano de ajuda financeira a Portugal, ao contrário do que o governante alemão inicialmente terá dito”, lê-se no comunicado divulgado na quarta-feira à tarde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)