Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Eduardo Stock da Cunha, presidente do Conselho de Administração do Novo Banco, afirmou em entrevista ao Jornal de Negócios que apesar de faltar “limpar ainda bastante”, o Novo Banco terá capacidade para apresentar lucro em 2018.

Na entrevista, o responsável pela instituição criada em 2014, na sequência da falência do Banco Espírito Santo, afirmou que ainda falta limpar bastante da má herança deixada: “Quando digo limpar significa gerir as situações.Mas também afirma que o banco está a “gerir muito melhor a rendibilidade operacional” e que “tem condições para dar lucro em 2018”.

Stock da Cunha diz ainda que o processo de transformação do Novo Banco já está muito avançado, mas que ainda “falta definir muita coisa”, nomeadamente a parte do plano que diz respeito à venda do Novo Banco Ásia, “o processo do famoso BICV, de Cabo Verde” e ainda o BES Vénétie.

Ao mesmo tempo, garante que a instituição é um dos bancos portugueses mais competitivos em custos operativos e que em menos de um ano, já foram reduzidos em 40% os gastos anuais. E ainda que, no primeiro semestre de 2016, o banco conseguiu, em imobiliário, 250 milhões de euros.

Já sobre o entendimento com o Governo, o presidente do conselho de administração do Novo Banco garante ter “excelente relação” com o ministro das Finanças e o secretário de Estado do Tesouro”, ainda que o descreva como um “relacionamento indireto”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR