A Casa Branca pediu este domingo ao Congresso norte-americano que investigue se a administração Obama ordenou algum tipo de escutas ou vigilância abusiva a Donald Trump durante a campanha eleitoral de 2016, avança a agência Reuters.

O pedido surge depois de, no sábado, Donald Trump ter acusado, pelo Twitter, Barack Obama de ter colocado o seu gabinete na Trump Tower sob escuta antes das eleições de 8 de novembro. Nas acusações, contudo, Trump não avançava qualquer fundamento ou base que sustentasse as afirmações.

O Presidente Donald Trump “solicita que, no âmbito das suas investigações sobre as atividades relacionadas com a Rússia, as comissões sobre os serviços secretos do Congresso exerçam a sua autoridade de supervisão para determinar se o poder executivo excedeu, em 2016, os seus poderes de investigação”, afirma em comunicado Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca.

Trump fez a acusação em várias mensagens publicadas no Twitter, sem pormenores ou provas, referindo-se ao anterior Presidente dos Estados Unidos como um homem “mau (ou doente)”. Mas no seguimento dessas acusações, o porta-voz de Barack Obama, Kevin Lewis, negou logo qualquer acusação e garantiu que nunca ordenou vigilância a nenhum cidadão. “Nem o Presidente Obama, nem qualquer responsável da Casa Branca ordenaram alguma vez a vigilância de qualquer cidadão norte-americano”, disse Kevin Lewis em comunicado.

Os ataques contra Barack Obama surgem numa altura em que a administração de Trump está envolvida em polémica acerca de contactos durante a campanha e o período de transição entre responsáveis russos e alguns dos seus assessores e conselheiros, incluindo o ministro da Justiça, Jeff Sessions.