Rádio Observador

Ministério da Defesa

Passos surpreendido com ausência de pedidos de demissão após roubo de Tancos

1.170

Pedro Passos Coelho mostrou-se surpreendido por ainda ninguém na hierarquia militar ter apresentado a demissão ou ter sido exonerado na sequência do roubo de material de guerra em Tancos.

Passos quer saber que ações foram tomadas, referindo que compete à Procuradoria-Geral da República investigar o que se passou

MIGUEL PEREIRA DA SILVA/LUSA

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, mostrou-se surpreendido por ainda ninguém na hierarquia militar ter apresentado a demissão ou ter sido exonerado na sequência do roubo de material de guerra em Tancos, Santarém.

“Fico espantado por até hoje na própria hierarquia militar não ter havido ninguém que tivesse sido exonerado ou colocado o lugar à disposição no caso do roubo de material de guerra, em Tancos, e temos um ministro da Defesa que assume a responsabilidade política, sem que ninguém saiba associar isso a qualquer ação”, frisou Pedro Passos Coelho.

“Era importante que o país soubesse o que é que isto quer dizer, que ações é que foram tomadas”, disse.

O líder social-democrata, que falava na sessão de encerramento da Convenção Autarquia do PSD, que decorreu em Freixo de Espada à Cinta, no distrito de Bragança, quer saber que ações foram tomadas, referindo que compete, por lei, à Procuradoria-Geral da República PGR) investigar o que se passou.

“Tem mesmo de ser a PGR a fazer a investigação e não pode deixar para esse efeito de contar com a cooperação da Polícia Judiciária, que tem, de resto, uma unidade de combate ao terrorismo e ao crime organizado, que é justamente quem pode acrescentar alguma coisa significativa em termos de investigação”, enfatizou.

Segundo Passos Coelho, o que está em causa é material de guerra “que pode ser empregue por forças militares ou utilizado por terroristas”.

“O que se vier a passar na Europa ou em Portugal nos próximos tempos pode ser condicionado por falhas de segurança graves como esta que aconteceu. Isto é uma situação grave, que não é para desdramatizar”, indicou o líder do PSD.

Para Passos Coelho, era bom que estes assuntos de Estado fossem tratados com “sentido de responsabilidade”.

Segundo o chefe do Estado-Maior do Exército, General Rovisco Duarte, “estes roubos podem acontecer em qualquer país e em qualquer Exército, desde que haja vontades e capacidades”.

O Exército revelou na sexta-feira que entre o material de guerra roubado na quarta-feira dos Paióis Nacionais de Tancos estão “granadas foguete anticarro”, granadas de gás lacrimogéneo e explosivos, mas não divulgou quantidades.

Rovisco Durte sublinhou que o material de guerra roubado foi selecionado por quem tinha “conhecimento do conteúdo dos paióis”.

Face ao incidente, a segurança foi reforçada nos paióis com “o aumento de efetivos” e com “patrulhas mais robustas”, assinalou, referindo que “não se permite ajuizar” sobre a falta de funcionamento do sistema de videovigilância do quartel, parado há dois anos.

O chefe do Estado-Maior do Exército frisou que os planos de segurança e vigilância foram cumpridos.

O ministro da Defesa assumiu hoje a “responsabilidade política” pelo roubo em Tancos, depois de os partidos políticos terem criticado o sucedido, com o CDS-PP a exigir a audição parlamentar de Azeredo Lopes e o PSD a pedir também para ser ouvido o general Rovisco Duarte.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)