Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Os corpos de um casal suíço desaparecidos há 75 anos foram encontrados congelados na semana passada nos Alpes, na Suíça, depois de um glaciar ter derretido, relata a Euronews. Os cadáveres foram encontrados por um trabalhador de um teleférico perto da estância de esqui Les Diablerets, a uma altitude de 2,615 metros.

Os corpos foram descobertos por um dos nossos colegas, que de longe pensou tratar-se de um monte de pedras. Achou estranho e aproximou-se. Uma parte dos corpos estava ainda debaixo do gelo”, contou Bernhard Tschannen, responsável do teleférico.

Os corpos estavam “deitados um ao lado um do outro”, acrescentou a mesma fonte. No local foram encontradas mochilas, gamelas, uma garrafa de vidro e meias de homem e de mulher.

Estavam perfeitamente conservados no gelo e os seus pertences estavam intactos. Achamos que eles podem ter caído dentro de uma fenda, onde ficaram durante décadas. À medida que o gelo derreteu, os corpos fora revelados”, explicou ainda o responsável.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Junto aos corpos foram ainda encontrados documentos que permitiram identificá-los como Marcelin e Francine Dumoulin. Teriam 40 e 37 anos quando foram vistos pela última vez a 15 de agosto de 1942, antes de saírem de casa para cuidar do gado, em Chandolin, em Valais, na Suíça. A identidade do casal vai ainda ser confirmada por testes de ADN.

O casal tinha sete filhos que foram dados para adoção na altura do desaparecimento. Marceline Udry-Dumoulin, de 79 anos, a filha mais nova do casal, revelou-se aliviada pelo descobrimento: “Passámos as nossas vidas à procura deles, sem parar. Sempre pensávamos que um dia poderíamos lhes dar o funeral que mereciam”, disse ao jornal Le Matin.