Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ao contrário de outros, o debate desta quinta-feira na RTP juntou os 12 candidatos à Câmara Municipal de Lisboa, e não apenas os candidatos dos cinco maiores partidos.

Habitação, transportes, turismo e os ataques a Medina: o debate com os 12 candidatos a Lisboa

O que o debate perdeu em confronto político (dadas as dificuldades em gerir intervenções de 12 candidatos sobre todos os temas) ganhou em momentos caricatos. Desde metáforas sobre a geringonça a propostas inusitadas, passando por contas mal feitas, recorde aqui os seis melhores ‘tesourinhos’ da noite.

[jwplatform zwiOFAY4]

Amândio Madaleno, do Partido Trabalhista Português (PTP):

Sobre a habitação… perguntei-me o que será uma geringonça e então cheguei à conclusão de que é um triciclo em que é possível separar a roda da frente das outras duas. Nessa roda da frente, vai o Dr. António Costa, e depois temos as outras duas, uma da esquerda e uma da direita. Temos uma da esquerda que em vez de andar para a frente está sempre a puxar para o lado esquerdo, e temos depois uma da direita, no caso do triciclo, que está completamente bloqueada, faz muito ruído mas não sai do mesmo sítio.”

Carlos Teixeira, do Partido Democrático Republicano (PDR):

Com base no princípio de que entram 360 mil veículos em Lisboa, eles também vão ter de sair. Portanto, são 720 mil veículos que circulam na capital durante um dia. Entram e saem. Podem não ser os mesmos, há uns que vão pela A1, A8, podem ir para o Porto.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

José Pinto Coelho, do Partido Nacional Renovador (PNR):

Acabar com os bloqueadores. Nós bloquearíamos era a própria EMEL, na hora. (…) e a passagem da maior parte das ruas de Lisboa a um só sentido, porque isso descomplica muito o escoar do Trânsito e permite o aumento de lugares de estacionamento em espinha.”

Joana Amaral Dias, do Nós Cidadãos:

Os transportes públicos têm de ser gratuitos para residentes. O dinheiro consegue-se aumentando o preço dos bilhetes para todos os que não são residentes na cidade de Lisboa.”

José Pinto Coelho (PNR):

Os turistas, que têm maior poder de compra, se querem o sol, se querem o clima, paguem!”

Amândio Madaleno, do PTP (sim, voltámos à metáfora do triciclo):

Se eu for eleito presidente da câmara — o que não é nada impossível, só depende da vontade de 50% dos votantes — farei duas coisas imediatamente: um telefonema e uma reunião de câmara. O telefonema é para informar o professor Marcelo, o Presidente da República, de que a tal geringonça não funciona. O Dr. António Costa cortou a primeira parte do triciclo e anda sozinho numa roda, as outras duas estão paradas. A única altura em que a gente os vê na televisão juntos é quando vão à auto-reparadora tratar do orçamento. O resto não funciona. E vou-lhe pedir também que deixe de apaparicar o primeiro-ministro, para que não aconteçam mais espalhanços como aconteceu nos incêndios. Na primeira reunião da câmara, obviamente tem que haver uma mudança. Vou convidar a dr.ª Cristas para, oferecendo-lhe um autocarro, se deslocar aos bairros, não de táxi, mas de autocarro, de uma forma ostensiva,para se redimir do mal que fez a muitos moradores dos bairros sociais.”