Rádio Observador

Conselho de Estado

“Mon ami Juncker”. Presidente da comissão elogia redução do défice no Conselho de Estado

721

Em altura de discussão do Orçamento do Estado, presidente da Comissão Europeia deixou elogios à redução do défice, à recuperação económica e à redução do desemprego no Conselho de Estado.

Jorge Amaral/ Global Imagens

“Mon ami, Juncker”. António Costa bem que podia utilizar a frase que caracterizou a relação de Soares com Miterrand. Numa altura em que se discute o Orçamento do Estado para 2018 em Portugal, o presidente da Comissão Europeia fez rasgados elogios a Portugal no Conselho de Estado — segundo apurou o Observador — enaltecendo a “recuperação económica, a redução do défice e a redução do desemprego“. Ao longo de quatro horas de reunião, os conselheiros bombardearam Juncker com perguntas sobre o Brexit, a Catalunha, a zona Euro ou a União Europeia de Defesa.

O convidado Jean-Claude Juncker fez uma intervenção de vinte minutos, dividida entre uma parte mais afetiva (sobre Portugal) e outra mais política (sobre Europa). Relativamente a Portugal, lembrou — tal como tinha feito numa intervenção antes de entrar — que tem uma ligação de há muitos anos com o país e transmitiu” a vontade da União Europeia ajudar Portugal na resposta aos incêndios”, lembrando que “já está a ajudar”.

António Costa, na sua intervenção, viu em Juncker o seu Miterrand. Agradeceu muito ao presidente da comissão, que elegeu como “amigo” de Portugal, lembrando que foi um “grande aliado” em três momentos importantes para o país: na não aplicação de sanções, na saída do Procedimento por Défices Excessivos e na ajuda após a tragédia dos incêndios.

Sobre os incêndios, o Presidente da República propôs um voto de pesar logo no início da reunião, mas — ao longo do Conselho de Estado — nenhum dos conselheiros falou sobre a problemática, uma vez que havia um convidado estrangeiro. Ou seja: não faria sentido falar de política interna.

Já Juncker, que esteve quase quatro horas em silêncio, foi anotando as perguntas dos conselheiros, brincando quando lhe voltaram a dar a palavra, dizendo que eram mais de 60 perguntas e que ia tentar responder a todos, mas por blocos. Os conselheiros falaram pela ordem em que estavam sentados (é uma regra da era Marcelo) e a maioria falou em português, embora alguns tenham falado em francês e inglês. Cavaco Silva, por exemplo, colocou questões a Juncker em inglês, sobre a influência na Europa do eixo Merkel-Macron. O conselheiro Domingos Abrantes (indicado pelo PCP) foi o único que teve uma intervenção marcadamente anti-europeísta e anti-euro.

Na parte sobre Europa, Juncker lembrou que já houve um tempo em que a Europa parou no tempo, e entrou num estado de “esclerose“, mas destacou que agora voltou a entrar num estado de crescimento e desenvolvimento económico. Sobre o futuro da Europa, reiterou os desafios assumidos no debate do Estado da União Europeia.

Nesse debate, recorde-se, Juncker defendeu uma união monetária composta por todos os membros da união política, um serviço de informações e uma procuradoria europeus e uma união da Defesa até 2020, um presidente único aos comandos da União, listas transnacionais para candidatos ao Parlamento Europeu, acordos comerciais concluídos até ao final do seu mandato, a criação de uma agência europeia de cibersegurança e um ministro das Finanças e da Economia europeu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)