Mediterrâneo

Médicos Sem Fronteiras resgatam cerca de 600 imigrantes no Mediterrâneo central

Os navios dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) e da SOS Mediterrâneo resgataram quase 600 imigrantes no Mediterrâneo central quando estes tentavam chegar a Itália, a partir da Líbia.

CESARE ABBATE/EPA

Os navios dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) e da SOS Mediterrâneo resgataram quase 600 imigrantes no Mediterrâneo central quando estes tentavam chegar a Itália, a partir da Líbia, divulgaram esta sexta-feira as duas organizações.

De acordo com a MSF e a SOS Mediterrâneo, pessoas desapareceram durante esta travessia e, provavelmente, muitas morreram afogadas.

O resgate aconteceu na quarta-feira, quando uma lancha se afundou e dezenas de imigrantes, entre os quais mulheres e crianças, caíram na água, indicou o médico dos MSF Seif Khirfan, que se encontrava a bordo do navio Aquarius.

Ainda que os Médicos Sem Fronteiras não tenham conseguido recuperar os corpos dos imigrantes caídos na água, Khirfan assegurou que viram “pessoas submergidas”.

As equipas de socorro lançaram coletes salva-vidas para a água e ainda reanimaram um homem que havia entrado em paragem cardiorrespiratória, posteriormente levado de helicóptero para Itália.

Houve ainda vários casos de hipotermia ligeira e moderada, e os médicos trataram também de feridas que os imigrantes sofreram ainda na Líbia, país onde os imigrantes estão expostos a “níveis alarmantes de violência e exploração”.

A grande maioria dos imigrantes resgatados no Mediterrâneo saiu da Líbia e, posteriormente, relataram às equipas dos MSF os abusos sofridos nas mãos dos traficantes, grupos armados e milícias.

Os abusos são violência, incluindo a sexual, assim como detenção arbitrária em condições sub-humanas, tortura e outras formas de maus-tratos, exploração económica e trabalho forçado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)