Rádio Observador

Supercarros

Venom F5. Hennessey destrona Koenigsegg e Bugatti

A Hennessey deu a conhecer o novo e escaldante Venom F5, com 1.600 cv e prestações que superam o Chiron ou o Agera RS. Só serão produzidas 24 unidades, com um preço de quase 1,4 milhões de euros cada.

Autor
  • Francisco António

Pequeno fabricante norte-americano, a Hennessey acaba de dar a conhecer, no SEMA de Las Vegas, o seu novo e mais escaldante superdesportivo, o Venom F5. Proposta que, com uma produção reduzida a 24 unidades, faz da velocidade a sua maior arma, superando inclusivamente o anterior Venom GT – até mesmo no preço, que ronda os 1,37 milhões de euros.

Ao contrário do GT, que utiliza um chassi Lotus, o Venom F5 tem por base uma nova solução tubular em fibra de carbono, o mesmo material utilizado no fabrico da carroçaria. A qual, fruto do novo design, é não só mais elegante, como exibe um melhor coeficiente de aerodinâmica que o antecessor – 0.33 Cx. Melhor, aliás, não só que o do Venom GT (0.44), como também que o do Bugatti Chiron (0.38).

Quanto ao motor, é o próprio John Hennessey, dono da marca, quem justifica a opção:

Sou um purista. Gosto de coisas simples, da funcionalidade elegante, ainda que isto não deva ser entendido como um ataque às soluções híbridas. Mas esse tipo de soluções é mais apropriado para os grandes fabricantes.”

Assim, sentenciado fica desde já que a propulsão estará a cargo de um V8 7,4 litros biturbo em alumínio, capaz de gerar uma avassaladora potência de 1.600 cv e 1.762 Nm de binário, tudo isto enviado apenas para as rodas traseiras, equipadas com borrachas Michelin Pilot Cup 2, através de uma caixa automática com apenas um disco de embraiagem e sete velocidades, com patilhas no volante. No entanto e para quem o deseje, o fabricante também disponibiliza uma caixa manual, embora garanta desde já que o “piloto de ocasião” vai andar a lutar contra o sistema de tracção por GPS até, pelo menos, aos 225 km/h!

Quando equipado com um especial modo de condução Vmax, o F5 consegue baixar a asa traseira e selar as entradas de ar logo abaixo do spoiler, para melhorar ainda mais a eficiência aerodinâmica. Solução que lhe permite acelerar dos 0 aos 300 km/h em 10 segundos, com o ponteiro do velocímetro a atingir os 400 km/h em tão-só 20 segundos, ao mesmo tempo que a velocidade máxima (anunciada) surge fixada nos 484 km/h. Em suma, números que conseguem superar as prestações anunciadas por propostas como o Koenigsegg Agera RS, ou o Bugatti Chiron.

O habitáculo surge revestido a pele, fibra de carbono e Alcantara, com a cereja no topo do bolo a vir de uma interface materializada num iPad. A Hennessey garante ainda que espaço também não falta, sendo mesmo capaz de acomodar um ocupante tipo jogador de futebol americano. Ou seja, dos grandes!

Caso esteja a pensar comprar uma destas jóias, saiba que, só para ser considerado um potencial comprador, terá de apresentar primeiro uma candidatura, que terá de ser aprovada pelo próprio John Hennessey, antes de – então, sim – poder começar a sonhar com um F5 na sua garagem.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)