Rádio Observador

Douro

Seca extrema no sul da Europa: nascente do rio Douro sem água

5.258

Ano de 2017 é um dos três mais quentes de sempre e Portugal atravessa um período de seca em pleno mês de novembro. Rios e ribeiros estão vazios, como é o caso da nascente do rio Douro.

LUSA

O ano de 2017 é um dos três anos mais quentes de sempre, como noticiou o Observador, e Portugal atravessa um período de seca severa em pleno mês de novembro. Rios e ribeiros estão completamente vazios, como é o caso da nascente do rio Douro.

Portugal e Espanha são os países que mais estão a sofrer com a falta de chuva e o calor extremo – 90% do território português estava, em outubro, com falta de água. No mesmo mês, a Euronews dava conta de que o sul da Europa estava a passar por uma das maiores secas das últimas décadas.

Pode ler-se, no relatório mensal que o IPMA produz, e no que diz respeito ao nível de seca em Portugal, que o mês de outubro foi “extremamente seco e excecionalmente quente”, tendo sido dos mais quentes dos últimos 87 anos, a juntar-se ao de setembro, “com o valor médio da temperatura do ar a rondar cerca de 3.ºC acima do normal.”

É geral, os cursos de água estão vazios: a água já não corre e parece que tarda em chegar. O El Mundo publicou, na sua página de Facebook, um vídeo onde se pode ver a nascente do rio Douro completamente seca. Em Espanha, no mês de setembro, as autoridades alertaram para o facto de as barragens estarem a menos de 40% da sua capacidade máxima.

El nacimiento del río Duero, sin nada de agua por culpa de la …

El nacimiento del río Duero, sin nada de agua por culpa de la sequía. bit.ly/2hHwRJx

Posted by El Mundo on Sunday, November 5, 2017

Em Portugal, também as barragens estão abaixo do nível da sua capacidade máxima. Este mês iniciou-se uma das maiores operações de abastecimento de água na região de Viseu, profundamente afetada pela seca extrema, que pretende fornecer quatro concelhos da zona.

Na passada sexta-feira, o IPMA colocou sob aviso amarelo 15 dos 18 distritos, devido a chuvas, ventos fortes e trovoadas, mas nem por isso a chuva foi suficiente para deixar o país fora da seca. A agricultura tem sido uma das atividades que mais sofre com as alterações climáticas, com as várias produções a ficarem afetadas pela falta de água.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)