O Ministério de Economia e Finanças (MEF) da Venezuela anunciou esta quarta-feira que o Governo iniciou uma transferência de 199,6 milhões de dólares norte-americanos (172,06 ME) para pagamento de juros dos títulos de dívida do Estado.

“Foi iniciada a transferência dos juros dos ‘Bonos Soberanos’ (títulos de dívida estatal) 2019 e 2024, por 199,6 milhões de dólares (172,06 milhões de euros”, anunciou o ministério na sua conta do Twitter.

Segundo o MEF, o Governo venezuelano “continua a cumprir com os compromissos e ratifica o pedido para renegociar a dívida externa venezuelana”.

O ministério não explicou se o valor transferido correspondia ou não aos juros em atraso, que, segundo a imprensa venezuelana, venceram há mais de 30 dias.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Numa outra mensagem, o MEF precisa que Caracas pagou mais de 73.350 milhões de dólares (63.232 milhões de euros) da dívida externa estatal.

A agência de ‘rating’ S&P baixou terça-feira a classificação da Venezuela, a longo e curto prazo, em moeda estrangeira, de “CC/C”, moratória com pequena expectativa de recuperação, para “SD/D”, ‘default’ ou incumprimento seletivo.

A medida, segundo a S&P, deve-se à falta de pagamento de 200 milhões de dólares (172,41 milhões de euros) de títulos globais, uma vez vencido o período de graça de 30 dias, o que poderá desencadear um incumprimento nos pagamentos da sua dívida externa, nos próximos três meses.

“Baixamos duas classificações a ‘D’ (‘default’) e baixamos a classificação da dívida soberana em moeda estrangeira a longo prazo para ‘SD’ (default parcial)”, lê-se num comunicado da S&P.

Esta posição já foi criticada pelo Governo venezuelano, que classificou a Standart & Poors (S&P) como um “agente de agressão imperial, protagonista do bloqueio e perseguição financeira contra a Venezuela e criadora de um risco induzido contra o país”.