Uma central elétrica sueca está a queimar roupa inutilizável da marca H&M para substituir o carvão e outros combustíveis fósseis. A Malarenergi AB, que fica a 100 quilómetros de Estocolmo, tem como objetivo eliminar por completo a utilização de combustíveis fósseis até 2020.

“Para nós é material combustível. O nosso objetivo é utilizar apenas combustíveis renováveis e reciclados”, explica Jens Neren, a diretora de abastecimento combustível da central elétrica, à Bloomberg.

A Malarenergi AB tem um acordo com a cidade de Eskilstuna para queimar todo o lixo que os seus habitantes produzem – o que inclui o armazém central da H&M. Em declarações à Bloomberg, a diretora de comunicação da marca afirma que “a H&M não queima roupa que possa ser utilizada. Ainda assim, é nossa obrigação legal certificarmo-nos de que a roupa com bolor ou a que não cumpre com as nossas rigorosas restrições sobre químicos seja destruída”.

A central elétrica, que fica na cidade de Vasteras, já queimou 15 toneladas de roupa inutilizável em 2017. Além de Eskilstuna, a Malarenergi AB tem acordos com outras cidades para aproveitar o lixo e até importa desperdícios do Reino Unido. A fábrica, que abastece eletricidade a 150 mil casas, chegou a queimar 650 mil toneladas de carvão em 1996.

Ainda que a Suécia esteja na linha da frente no que toca à eliminação de emissões de dióxido de carbono, graças às centrais de energia hidroelétrica, nuclear e eólica, algumas localidades ainda utilizam carvão e petróleo para aquecer casas e escritórios durante o inverno rigoroso. A conversão de centrais elétricas antigas – a Malarenergi AB tem 54 anos – ao uso de biocombustível ou incineração de lixo é o derradeiro esforço da Suécia para eliminar em definitivo a utilização de combustíveis fósseis até 2020.

O último abastecimento de carvão à Malarenergi AB chegou na passada terça-feira e tem quantidade suficiente para durar até 2020. Nessa altura, será instalada uma nova incineradora de madeira que irá juntar-se às de biocombustível e lixo já existentes.