Winston Churchill

Como era Winston Churchill nas War Rooms subterrâneas?

281

Tomava o pequeno almoço na cama, usava sempre um fato de macaco e era "impaciente e exigente". Documentos e fotografias raras revelam agora como era a vida de Churchill nas War Rooms.

Evening Standard/Getty Images

O pequeno almoço era, por hábito, tomado na cama, onde por vezes ficava até serem 13h00. Tinha uma secretária com uma máquina de escrever ao lado da cama e usava sempre um fato de macaco. “O lado negativo dele só se mostrava à superfície“, disse Elizabeth Layton, secretária pessoal de Churchill.

Os hábitos do primeiro-ministro do Reino Unido Winston Churchill foram revelados pelo museu britânico, Imperial War Museum, que divulgou documentos, testemunhos e imagens raras sobre como era a vida de Churchill nas War Rooms — o complexo subterrâneo que continha um centro de comando do governo britânico durante a Segunda Guerra Mundial –, conta o jornal The Guardian. Os materiais foram revelados para incentivar as pessoas a visitar as War Rooms do Churchill e marcar o lançamento do filme “A Hora Mais Negra”, que conta episódios da vida de Churchill durante a Guerra.

Churchill usava sempre um fato de macaco, de acordo com Margaret Walker, uma secretária que trabalhava com ele nessas War Rooms. “Ele costumava usar um fato de macaco e costumávamos ver aquele jovem, gordinho, baixinho de um lado para o outro de fato de macaco”, disse.

Ele foi alguém que atraiu a nossa lealdade e o nosso profundo respeito e carinho”, disse Elizabeth Layton, secretária pessoal de Churchill.

A secretária de Churchill também fez algumas revelações . Para ela, “o lado negativo dele [de Churchill] só se mostrava à superfície. Lá em baixo, ele era uma pessoa muito atenciosa”. A secretária recorda que a toda a equipa era “completamente dedicada a ele, mesmo que ele fosse inclinado a ser impaciente e exigente”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
II Guerra Mundial

A hora mais trágica

Rui Ramos
133

Ao contrário do que sugere o filme A Hora Mais Negra, a decisão britânica de continuar a guerra em 1940 não foi o resultado de sondagens de opinião, mas de uma liderança que "caminhava com o destino".

Reino Unido

Recordando Winston Churchill

João Carlos Espada

Churchill era defensor da tradição europeia e ocidental da liberdade sob a lei, para a qual acreditava que os povos de língua inglesa tinham dado uma significativa contribuição.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)