Com os modelos tradicionais de negócio a perderem clientes, as marcas automóveis procuram novas formas de chegar aos clientes, com a Internet a surgir como veículo cada vez mais privilegiado nesse contacto. Razão pela qual a CEO da Citroën, Linda Jackson, diz esperar que, já em 2021, a marca do double chevron esteja a vender cerca de 10% dos seus carros, online.

No Salão de Paris de 2016, a mesma responsável já tinha admitido a hipótese de a Citroën avançar com a venda de veículos online no Reino Unido, em 2017. Contudo, esse processo acabou por revelar-se “mais complexo” do que à partida seria de prever, explicou Jackson ao britânico AutoExpress, sublinhando que a marca continua comprometida com essa meta:

Temos um objectivo, não uma crença, que passa por fazer com que as vendas de carros através da Internet possam atingir os 10% das nossas vendas totais, em 2020 ou 2021″, declarou Jackson.

Actualmente, a percentagem de vendas online não chega a 1%, adianta a CEO da Citroën, realçando o facto de que “esses clientes que estão a comprar online são precisamente aqueles que não irão a um concessionário”.

Linda garante continuar a acreditar que “há lugar neste negócio para os concessionários, enquanto oportunidade para os clientes tocarem e testarem os carros”. O que não impede a Citroën, “enquanto parte do grupo PSA”, de estar “já a testar um novo processo de vendas com o online perfeitamente integrado, e que vai desde a compra do carro até ao financiamento”.

“Vamos continuar a desenvolver esse modelo, mas não já em 2018. Até porque, simultaneamente, estamos a olhar para outro formato, que passa por vender os veículos que estão parados nos concessionários. Queremos conjugar os dois processos, também no Reino Unido, mas, muito provavelmente, só no final de 2019 ou início de 2020”, acrescenta.

Se imagino uma situação em que o cliente vai poder observar o carro online, configurá-lo e então ir até um concessionário, para vê-lo ao vivo e testá-lo, regressando depois a casa para completar a compra, em frente ao computador? É claro que consigo imaginar! É isso mesmo que estamos a tentar desenvolver, mas ainda não chegámos lá.”

Para a CEO da Citroën, “o primeiro passo é garantir um nível de vendas online substancial, a que se seguirá o agendamento de reuniões online, e a implementação de um serviço de pós-venda”. Isto porque a marca quer ter a certeza de que tudo funciona sem problemas: “O pior que pode acontecer é fazermos um grande alarde e, depois, termos um sistema que não consegue entregar os carros. Os clientes que passem por essa experiência ficarão perdidos, para sempre.”