Portugal está a atrair investimentos da França, Alemanha e até China e Índia, e não apenas por causa do efeito do Brexit, afirmou o ministro da Economia.

Em declarações à televisão Bloomberg, Manuel Caldeira Cabral revela que Portugal está a atrair mais serviços que estão a deslocalizar a sua atividade para o nosso país. E se parte deste movimento é uma resposta das empresas à saída do Reino Unido da União Europeia, o ministro sublinha que há também empresas francesas e alemãs a mudar operações para Portugal. Na conversa, que teve como pano de fundo o Fórum Económico mundial que se realiza em Davos, o ministro não avançou nomes, nem valores para esses investimentos.

Para o ministro da Economia, o Brexit não é bom para a Europa em geral, mas defende que a questão deve ser gerida “de forma a conter os danos e garantir que o comércio continua aberto”.

Questionado sobre o impacto das taxas que Trump impôs à importação de equipamentos para energia solar, Caldeira Cabral considera que a medida não vai afetar Portugal — os principais alvos são os fabricantes asiáticos — mas avisa que é um sinal de fecho do mercado a que devemos estar atentos. A Europa, acrescenta, deve enviar uma mensagem no sentido da abertura.