O Presidente da República agradeceu hoje o contributo da Igreja Adventista do Sétimo Dia para a “construção da justiça e da solidariedade social” em Portugal, numa visita em que assinalou a partilha de valores comuns.

“Eu agradeci a esta Igreja o contributo que tem dado no domínio da construção da justiça, da solidariedade social para um Portugal mais humano, mais fraterno e mais solidário, um agradecimento de todos os portugueses”, afirmou.

No final de uma visita à Igreja Adventista do Sétimo Dia — Lisboa Central, em que assistiu à celebração religiosa — Marcelo Rebelo de Sousa justificou que tem assumido como princípio do seu mandato a “proximidade não apenas em relação às pessoas, mas também às comunidades religiosas como àqueles que não tem crença ou fé”.

O Presidente da República adiantou que a sua próxima iniciativa neste âmbito será na “comemoração dos 50 anos da comunidade islâmica em Portugal” e a seguinte será junto da comunidade luterana.

Antes do início da celebração religiosa, pelo pastor António Amorim, Marcelo Rebelo de Sousa fez uma intervenção perante a comunidade evangélica, na qual lembrou o quadro legal e constitucional português que regula a liberdade religiosa.

O Presidente da República assinalou que a sociedade portuguesa “é aberta ao pluralismo religioso”, dispondo de “instrumentos que garantem um tratamento equitativo das diversas igrejas e credos”.

“Os poderes públicos não adotam nenhuma religião, mas o Estado assume, entre outros, o dever de colaboração com as Igrejas e comunidades religiosas radicadas em Portugal considerando a sua representatividade e tendo em vista a promoção dos direitos das pessoas, o desenvolvimento integral de cada pessoa, os valores da paz, da liberdade a solidariedade e da tolerância”, disse.

“Os valores e princípios que proclama recolhendo o influxo do cristianismo são os valores e os princípios da dignidade humana e da solidariedade patente na ação assistencial desenvolvida”, disse.

Para Marcelo Rebelo de Sousa, que recebeu de oferta um exemplar da Bíblia com 200 anos, aquele conjunto de valores “é um ponto de encontro entre o Estado português e a Igreja Adventista do Sétimo Dia” que, assinalou, “tem uma história já antiga e uma linhagem ilustre”, estando integrada e respeitada na sociedade portuguesa.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia está em Portugal desde 1904, quando chegaram os primeiros missionários. Atualmente, conta 116 Igrejas e Grupos, com 9.300 membros e uma comunidade de 12 mil pessoas. No âmbito da sua ação social, gere cinco estabelecimentos de ensino, quatro lares e centros de dia para idosos.