Rádio Observador

Empresas

Oi aprova alterações na estrutura e exclui comités criados por antiga PT

Alterações aprovadas esta sexta-feira vão extinguir as estruturas criadas há cerca de oito anos no âmbito de uma parceria estratégica com a antiga Portugal Telecom.

MARCELO SAYAO/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A operadora brasileira Oi informou esta sexta-feira ter aprovado alterações na estrutura organizacional da companhia, excluindo comités criados no âmbito de uma parceria com a antiga Portugal Telecom e criando outros para responder aos “desafios e necessidades”. Num comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, a Oi explica que “o Conselho de Administração aprovou alterações na estrutura dos seus comités de assessoria, que visam aperfeiçoar a sua governança, bem como alinhá-la aos desafios e necessidades que se apresentam”.

Tais mudanças implicam a extinção dos comités de “Governança Corporativa e Finanças, de Engenharia, Tecnologia e Redes e de Riscos e Contingências”, estruturas criadas há cerca de oito anos no âmbito de uma parceria estratégica com a antiga Portugal Telecom. A Oi, na qual a portuguesa Pharol é acionista de referência com 27% das ações, esteve mesmo num processo de fusão com a Portugal Telecom, que nunca se concretizou.

Na reunião do Conselho de Administração, e “de forma a procurar mais eficácia e agilidade nos seus trabalhos”, a Oi aprovou a criação dos comités para Acompanhamento da Implementação do Plano de Recuperação Judicial e de Auditoria, Riscos e Controles. Decidiu, também, contratar um assessor estratégico que estará “ligado ao Conselho de Administração”, numa tentativa de “assegurar foco específico nas agendas de reestruturação e evolução estratégica da Companhia”. Manteve, por seu lado, o comité de Pessoal, Nomeações e Remuneração.

No comunicado ao mercado, a Oi aponta que o Conselho de Administração aprovou ainda novas direções executivas, uma de Operações (nas áreas de redes, tecnologia e digital) e outra Comercial (nas áreas empresarial, corporativa e de relacionamento com clientes). Para liderar tais estruturas foram escolhidos José Claudio Moreira Gonçalves e Bernardo Kos Winik, respetivamente. O objetivo é “aprimorar a eficiência organizacional”, indica a companhia brasileira, precisando que, enquanto a direção de Operações visa “acelerar o processo de transformação tecnológica e digital”, a Comercial servirá para “conduzir as ações comerciais e de produtos para fortalecer a geração de receita”.

Na quinta-feira, a Oi informou também o mercado de que a agência de notação financeira Standard & Poor’s “elevou os ‘ratings’ de crédito corporativos” da companhia “de D para CCC+, na escala global, e de D para brB, na escala nacional”. Ao mesmo tempo, a S&P considerou que “todos os ‘ratings’ de dívida da companhia continuam avaliados em D, ressalvando que a conclusão das operações de reestruturação das dívidas previstas no Plano de Recuperação Judicial ainda está sujeita a aprovações de outras jurisdições, o que pode levar vários meses”, acrescentou a Oi.

Por seu lado, a S&P “também afirmou que a perspetiva de crédito corporativo da companhia é positiva, o que pode implicar em aumento adicional dos ‘ratings’ de crédito corporativo nos próximos 12 meses, se a Oi executar o Plano de Recuperação Judicial”, adiantou a operadora. A Oi está num processo de recuperação desde 2016, com o objetivo de reduzir o passivo da empresa, que ronda os 65,4 mil milhões de reais (cerca de 16 mil milhões de euros). O Plano de Recuperação Judicial propõe-se a reduzir o passivo da empresa através da conversão de 75% da dívida suportada pelos credores, aos quais serão concedidos direitos sobre a companhia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)