O ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, Boris Johson, saudou esta segunda-feira a “resposta extraordinária” dos aliados do Reino Unido ao caso Skripal com “a maior expulsão coletiva de agentes russos de sempre”. “A resposta internacional extraordinária dos nossos aliados é a maior expulsão coletiva de agentes dos serviços de informações russos de sempre e vai contribuir para defender a nossa segurança comum”, escreveu Boris Johnson no Twitter, depois do anúncio de uma ação concertada de 14 países da União Europeia, dos Estados Unidos e do Canadá. “A Rússia não pode violar as regras internacionais impunemente”, acrescentou o chefe da diplomacia britânica.

Mais de 100 agentes dos serviços secretos russos colocados em embaixadas em países ocidentais vão ser expulsos nos próximos dias em resposta ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal com um gás neurotóxico em Salisbury, no sul de Inglaterra, a 4 de março. Numa ação coordenada, os Estados Unidos anunciaram a expulsão de 60 “espiões” russos, a Alemanha, França, Polónia e Canadá quatro cada, a República Checa e a Lituânia três, a Itália, a Holanda e a Dinamarca dois, a Finlândia e Estónia um e a Ucrânia 13.