Tania Varela, a mulher mais procurada pela Europol, foi detida pela polícia catalã enquanto passeava a filha num parque em Sitges, a 30 quilómetros de Barcelona. Quando foi detida, por volta das 17h30 de segunda-feira, a galega estava “nervosa e evasiva” e deu um nome falso à polícia. Após a detenção, Tania — que não tinha qualquer documento de identifcação — foi levada para uma esquadra em Vilanova i la Geltru, onde as suas impressões digitais foram cruzadas com a base de dados da polícia. Durante o tempo em que esteve em fuga, de acordo com a polícia catalã, Tania esteve “em Portugal e na América do Sul.”

Já esta terça-feira a Audiência Nacional — um tribunal com jurisdição sobre todo o território espanhol — ordenou a prisão imediata de Tania Varela para cumprir a setença de sete anos de prisão imposta pelo mesmo tribunal em 2011 por tráfico de droga. Fontes judiciais citadas pela EFE explicam que Tania Varela terá de cumprir a sentença que, além dos sete anos de prisão, implica o pagamento indemnizações de 318 milhões de euros.

Tania Varela é uma advogada de 44 anos e era a única mulher na lista dos 70 mais procurados da Europol. A galega era alvo de três mandados de detenção por tráfico de droga e branqueamento de capitais e estava fugida desde 2013. Antoni Rodríguez, o responsável da Divisão de Investigação Criminal (DIC) dos Mossos d’Esquadra, disse à imprensa catalã que Tania Varela “estava em fuga desde o mandado de 2013 e desde então tem estado no estrangeiro, em Portugal e na América do Sul”. De acordo com a mesma fonte policial, a galega já vivia na clandestinidade em Garraf (Sitges) há mais de um ano.

Segundo Antoni Rodríguez a polícia catalã está a “investigar o porquê de Tania estar a viver em Sitges, o que fazia e de onde vinha o apoio financeiro e logístico que lhe permitiu estar na clandestinidade” todo este tempo. As autoridades vão ainda aproveitar para tentar obter informações sobre os “clãs” galegos do narcotráfico aos quais acreditam que Tania Varela manteve a ligação durante estes anos.

Detida a mulher mais procurada pela Europol. Tania Varela tem 44 anos e três mandados de detenção

De acordo com El País, Tania Varela foi notícia a primeira vez por boas razões: em 2001, com apenas 27 anos, foi nomeada diretora do Centro de Informação da Mulher de Cambados, uma instituição que se dedicava a defender judicialmente mulheres vítimas de violência doméstica. Três anos depois, abandonou o cargo e dedicou-se ao escritório de advogados onde nunca tinha deixado de trabalhar.

Na mesma altura, em 2004, emergia na Galiza um novo barão da droga: David Pérez Lago, filho de Laureano Oubiña, um dos nomes mais conhecidos no narcotráfico espanhol, e Esther Lago, considerada o cérebro de todas as operações do marido. Depois da prisão do pai, David tomou conta no negócio da família e trocou o haxixe – que Oubiña traficava – por cocaína.

Tania e David cruzaram-se em 2005, quando ela se tornou advogada dele. Tania contou em tribunal que, a dada altura, a relação se tornou mais íntima; David negou. Em março de 2006, os investigadores confirmaram aquilo de que já suspeitavam: Tania Varela era cúmplice de David Pérez Lago. Entre as atividades relatadas pela polícia, está um encontro da advogada galela com traficantes colombianos onde recebeu uma grande quantia de dinheiro e uma compra de telemóveis por satélite, no Porto, que foram depois utilizados por traficantes de droga.

Esses movimentos de Tania tinham como objetivo preparar o dia (26 de abril de 2006) em que chegariam 2 mil quilos de cocaína à Galiza. Nessa madrugada, um barco esperou em alto-mar que os responsáveis pela “entrega” aparecessem para recolher a carga. Mas uma das lanchas avariou e foi o próprio David Pérez Lago, em conjunto com um dos sócios, que embarcou num outro barco para resgatar a droga, salvar os tripulantes e afundar a embarcação. A Guardia Civil foi avisada, através de uma chamada, de um naufrágio. A polícia seguiu por helicóptero o regresso do navio de David a terra e os agentes esperaram por ele no porto.

Com o grupo detido, Tania Varela tomou as rédeas do negócio e tentou repartir o património da organização. Contactou as mulheres de vários dos elementos do grupo detidos na operação e indicou-lhes onde é que os homens guardavam o dinheiro. Acabou por ser encontrada e detida. Entretanto, saiu em liberdade condicional, envolveu-se com o advogado que a defendia e foi viver com ele para Madrid. David Pérez Lago permaneceu na prisão.

Tania conseguiu viver sem grandes sobressaltos até dezembro de 2008. Alfonso Díaz Moñux, o advogado que se tornou sei namorado, passou a ser perseguido e ameaçado de morte por pessoas ligadas ao grupo de traficantes apanhado pela polícia em 2006 (estavam todos presos menos Tania Varela). Ao advogado era exigido que renunciasse à defesa da mulher, mas este nunca o fez. Acabou assassinado em dezembro de 2008 ao estacionar o carro na garagem de casa, com dois tiros na cabeça. No lugar do pendura seguia Tania Varela.

A advogada propôs-se a colaborar com a justiça, acusou um colombiano, garantiu que também a tentaram matar mas escondeu-se. Meses depois, quando foi presente a juiz, jurou que não se recordava do crime nem da sua primeira declaração. Acabou por ser julgada em 2011, em conjunto com David Pérez Lago, pela operação de tráfico de droga. Foi condenada a sete anos de prisão que deveria ter começado a cumprir em janeiro de 2013. Mas, nessa altura, já tinha fugido sem deixar rasto.

Só seria apanhada na segunda-feira, cinco anos depois de ter iniciado a fuga. A custódia da sua filha, que é menor, está dependente da chegada de uma pessoa de confiança indicada pela mãe. Caso contrário, será alojada num centro de acolhimento de menores.

Tania Varela, a mulher mais procurada na Europa