Rádio Observador

PCP

Governo está a ser “mais papista do que o Papa” com o défice

Jerónimo de Sousa acusou hoje o Governo de ser "mais papista que o papa" no cumprimento do défice e instou-o a aproveitar a situação orçamental para resolver os problemas urgentes do povo e do país.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o Governo de ser “mais papista que o papa” no cumprimento do défice e instou-o a aproveitar a situação orçamental para resolver os problemas urgentes do povo e do país.

“Ficámos a saber a semana passada que, em 2017, o Governo teve uma situação orçamental melhor do que tinha previsto e que, em vez de a utilizar para resolver problemas urgentes do povo e do país, utilizou-a para reduzir o nível do défice ainda mais do que já tinha decidido reduzir, sendo mais papista que o papa”, afirmou.

Falando em Famalicão, no encerramento da X Assembleia da Organização Regional de Braga do PCP, Jerónimo de Sousa disse ser “cada vez mais incompreensível” a decisão do Governo de “levar ainda mais longe a obsessão com a redução do défice, perante os problemas graves que aí estão e urge resolver” no país.

Para o líder do PCP, aquela opção foi feita, desde logo, “à custa” dos trabalhadores da administração pública, “que têm os seus salários congelados há uma década e ontem [sexta-feira] souberam que é vontade do Governo prolongar no próximo ano esta situação inaceitável”.

Sublinhou que aquele congelamento “choca” com o balanço, há dias divulgado, dos apoios públicos à banca, desde o início da última crise 2007/2008, que ascendem a 17 mil milhões de euros.

Um balanço a que, acrescentou, se junta agora “uma nova fatura” de mais 800 milhões de euros para o Novo Banco, “para os portugueses pagarem as aventuras dos banqueiros e dos buracos que criaram para engrossar as suas fortunas e distribuir lucros”.

“Como é que se justifica que apareçam sempre milhões para a banca, mas não haja dinheiro para avançar mais na reposição de direitos e rendimentos ou na resposta aos problemas da falta de pessoal e de investimento nos serviços públicos?”, questionou.

Aludiu, concretamente, à contestação em curso do mundo da cultura e das artes.

“Tem sido sempre a cortar há anos. A insatisfação tem fundamento e a sua luta é justa”, referiu, sublinhando que o PCP propôs a inscrição de 25 milhões de euros no Orçamento do Estado mas a proposta foi recusada.

Na sua intervenção, Jerónimo de Sousa aludiu igualmente à “situação de degradação” também do setor privado e à “grave ofensiva desencadeada nos últimos anos contra as leis laborais, penalizadoras dos trabalhadores e dos seus direitos e salários”.

“Normas gravosas que o PS e o seu Governo resistem a alterar, juntando-se ao PSD e CDS no chumbo às propostas do PCP votadas na Assembleia da República o mês passado e que visavam a alteração dessas normas, inscritas do Código de Trabalho”, referiu.

Para o secretário-geral do PCP, aquela é uma “convergência que atesta os fortes laços de classe que unem PS, PSD e CDS quando se trata de optar pelos interesses do capital, e os limites do Governo do PS e da sua política em matéria de valorização do trabalho e dos trabalhadores”.

“O PS e o seu Governo seguem no caminho errado se procuram a solução para os problemas com o PSD e CDS, em vez de romperem com as políticas do passado de exploração e empobrecimento do povo e de afundamento do país”, avisou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
138

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
154

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)