Rádio Observador

Índia

Índia. Dois casos de violação levam milhares de pessoas para a rua em protesto

Dois casos de violação de menores estão a provocar uma onda de descontentamento a nível nacional na Índia. O partido do primeiro-ministro Narendra Modi está diretamente envolvido num dos crimes.

Milhares de pessoas juntaram-se para uma vigília em Nova Deli, no passado domingo

AFP/Getty Images

O caso de uma violação e assassinato de uma menina de oito anos no estado de Jammu e Kahsmir, na Índia, está a levar para a rua milhares de pessoas em protesto. O crime é de janeiro mas só na semana passada, quando um grupo de advogados e ativistas hindus tentou impedir a acusação dos suspeitos, é que ganhou visibilidade nacional.

A polícia indiana diz que a menina – que pertencia a uma comunidade nómada muçulmana – foi raptada enquanto cuidava de cavalos, num prado perto dos Himalaias. Dali foi levada para um templo hindu, onde foi drogada e permaneceu sequestrada durante cinco dias. Durante esse período, foi violada diversas vezes por vários homens, para depois ser morta e abandonada numa floresta nas redondezas.

As autoridades detiveram oito homens, todos eles hindus, que já foram presentes a tribunal na semana passada. Sete declararam-se inocentes e o oitavo, por ser menor de idade, vai ser julgado separadamente. O crime tem sido interpretado como uma maneira de assustar a comunidade muçulmana e, eventualmente, provocar a sua saída daquela região.

O assunto foi levado à escala nacional quando um grupo nacionalista – chamado Hindu Unity Council – acusou os investigadores de serem parciais e, por serem muçulmanos, estarem a obedecer à sua fé e não à lei indiana. O grupo tem ligações ao Partido Bharatiya Janata, do primeiro-ministro Narendra Modi: o crescente descontentamento da população tem pressionado o primeiro-ministro, que não comentou o caso até à passada sexta-feira, quando prometeu justiça para as “filhas” da nação.

A alegação de que o Partido Bharatiya Janata tem sido conivente com a proteção dos acusados agudizou-se com o surgimento de outro caso – que desta vez envolve um membro do partido. Kuldeep Singh Sengar, membro da assembleia legislativa da Índia, está a ser acusado de ter violado uma rapariga de 16 anos em junho de 2017.

A CNN conta que a polícia acusa Sengar de ter violado a menor e, na semana seguinte, ter participado no rapto e nova violação da estudante universitária. Semanas depois, foi encontrada pela polícia e levada até à esquadra mais próxima. Durante a viagem, as autoridades tentaram intimidar a rapariga, ao dizer que Kuldeep Singh Sengar iria mandar matar os seus familiares caso ela o acusasse. Já durante este mês de abril, o pai da menor foi agredido por um grupo de homens e acabou por morrer devido aos ferimentos. Um dia antes do pai morrer, a vítima – que agora já tem 17 anos – tentou imolar-se em frente à residência do governador do estado onde vive. Já o político foi detido na passada sexta-feira e permanece sob custódia do Central Bureau of Investigation.

Este domingo, milhares de pessoas saíram à rua em reação aos dois casos de violação. O envolvimento dos partidos políticos com a violência sexual – assim como o conflito religioso – tocou num nervo sensível, num país onde o estatuto da mulher e dos grupos minoritários ainda é visto como uma grande violação dos direitos humanos. Rahul Gandhi, o líder do principal partido da oposição, liderou uma vigília silenciosa em Nova Deli e dezenas de outros protestos tiveram lugar noutras grandes cidades, como Bombaim, Goa ou Bangalore.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)