José Sócrates

Operação Marquês. Data limite para abertura de instrução é 3 de setembro

118

Juiz Carlos Alexandre fixa prazo máximo para o início de setembro, quase um ano depois de ter sido conhecida a acusação do Ministério Público contra 28 arguidos.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Os arguidos da Operação Marquês podem requerer a abertura de instrução do processo — uma espécie de ante-câmara do julgamento, onde se decide quem é ou não é pronunciado — até 3 de setembro. Foi essa a data limite estipulada por Carlos Alexandre, juiz de instrução do processo em que o antigo primeiro-ministro José Sócrates está acusado de 31 crimes de corrupção passiva, branqueamento de capitais, falsificação de documento e fraude fiscal qualificada, conforme o Observador já tinha noticiado a 7 de abril e a Lusa confirmou esta terça-feira.

A acusação foi conhecida em outubro de 2017, o que significa que o pedido de abertura de instrução poderá ser requerido quase um ano depois de o Ministério Público ter terminado o seu trabalho — e quando a lei estabelece que esse pedido deve ser feito até ao “limite máximo” de 50 dias, e em determinadas condições (ainda que a a grande maioria dos magistrados não conceda mais do que os 20 dias habituais).

Quando a acusação foi conhecida, levantou-se a questão de como poderiam as defesas dos vários arguidos (são 28, ao todo) percorrer os milhares de páginas do processo em um mês. Depois, os prazos foram derrapando e, no início deste mês, o Observador escrevia que o juiz Carlos Alexandre deveria fixar algures em setembro a data limite para que esse requerimento fosse apresentado — explicando também o que levou aos sucessivos adiamentos por parte do juiz de instrução. A data concreta soube-se esta segunda-feira: será a 3 de setembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

Sócrates fará tudo para ser candidato a Belém

João Marques de Almeida
432

No mundo de Sócrates, Costa não é um líder político. Está simplesmente a ocupar o seu lugar porque a justiça o afastou da vida política. Para além disso, Costa cometeu o pior dos actos: a traição.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
136

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site