Eleições

Áustria avisa Turquia de que vai proibir ações de campanha em solo austríaco

Áustria vai vai proibir ações de campanha eleitoral por forças políticas da Turquia junto da comunidade turca que habita no país. Eleições estão previstas para 24 junho.

JULIEN WARNAND/EPA

O governo de Viena avisou Ancara de que não vai permitir a realização de ações de campanha eleitoral por forças políticas da Turquia junto da comunidade turca residente em território austríaco.

As eleições legislativas e presidenciais na Turquia estão previstas para o próximo dia 24 de junho. O chefe do governo austríaco, o democrata cristão Sebastian Kurz, crítico da entrada da Turquia na União Europeia, declarou que qualquer atividade de campanha eleitoral turca na Áustria é considerada “indesejável”.

Kurz, em declarações à estação de rádio ORF, disse que Viena não vai permitir “esse tipo de intromissões” no país onde vivem dezenas de milhares de cidadãos de origem turca.

Em 2017 registaram-se momentos de tensão política e diplomática entre a Turquia e vários países europeus onde estão concentradas grandes comunidades turcas como a Alemanha, Holanda e Áustria, quando políticos turcos tentaram levar a cabo ações de campanha para o referendo sobre a Constituição que reforçou os poderes do chefe de Estado.

“Se a Turquia está a organizar novamente este tipo de ações na Áustria só posso dizer com toda a clareza: estas atividades não são desejadas e não as vamos permitir”, frisou Sebastian Kurz. Alterações legislativas na Áustria aprovadas em abril do ano passado permitem facilitar a proibição de atividades de campanha a políticos estrangeiros em território austríaco.

O chefe de Estado turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou esta semana o desejo de antecipar as eleições presidenciais e legislativas, previstas inicialmente para finais de 2019, para o próximo dia 24 de junho. Se vencer as presidenciais, Erdogan passa a exercer os poderes executivos estabelecidos pela reforma constitucional turca aprovada após o referendo de março do ano passado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)