Rádio Observador

Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo acusado de usar dois paraísos fiscais para gerir os seus hotéis

218

Ronaldo terá usado offshores no Luxemburgo e na ilha de Jersey para gerir os seus negócios hoteleiros. A fase de instrução do caso em que o jogador é acusado de fraude fiscal está a terminar.

Já tinha sido revelado que o jogador utilizava offshores nas Ilhas Virgens Britânicas

ANDREU DALMAU/EPA

Cristiano Ronaldo terá usado dois paraísos fiscais para gerir os seus hotéis. Ao que já se conhecia – o uso de empresas fantasma nas Ilhas Virgens Britânicas para resguardar as receitas publicitárias – junta-se agora outra novidade. A utilização de uma estrutura offshore pelo jogador português usou para a gestão dos seus hotéis. Segundo o “Football Leaks”, desde junho de 2015 que o avançado do Real Madrid fez negócios através de uma holding no Luxemburgo e um fundo em Jersey, ilha no Canal da Mancha: a empresa luxemburguesa CRS Holding encarregava-se de administrar as participações de Cristiano Ronaldo em vários negócios turísticos que são propriedade do fundo em Jersey.

Tanto a holding como o fundo estão em nome de uma empresa intermediária, a Private Trustees, e o nome de Cristiano Ronaldo não surge em nenhum dos documentos públicos das sociedades. Contudo, o El Mundo analisou a documentação presente no processo “Football Leaks” e descobriu uma declaração de acionistas da Private Trustees em que jogador português surge como o “único beneficiário” do esquema.

Tal como acontece com a gestão das receitas publicitárias, não é ilegal gerir negócios hoteleiros através de offshores. Contudo, as Finanças espanholas consideram que Cristiano Ronaldo não declarou o valor suficiente no que toca aos direitos de imagem: o futebolista desviou 150 milhões de euros para as Ilhas Virgens Britânicas e só declarou 22,7 milhões de euros. Cabe agora à Agência Tributária perceber se Ronaldo pagou os impostos adequados desde junho de 2015.

A notícia do El Mundo surge numa altura em que a fase de instrução do caso em que Cristiano Ronaldo é acusado de fraude fiscal no valor de 14,7 milhões de euros está a dias de terminar.

Críticas à juíza e pedido para aceder ao arquivo fiscal de Messi

Ronaldo criticou esta semana pela primeira vez a juíza espanhola responsável pelo caso em que é acusado dessa fraude de 14,7 milhões de euros. A defesa do jogador português acusou a magistrada Mónica Gómez Ferrer de ter critérios “irracionais, subjetivos e incompreensíveis” por ter negado o acesso ao arquivo fiscal de Lionel Messihá uns dias, Ronaldo solicitou a consulta da documentação que a Agência Tributária elaborou sobre a fraude fiscal do jogador do Barcelona.

O internacional português defende que as Finanças espanholas utilizaram “critérios díspares” para analisar contratos de patrocínio “idênticos” e pediu à própria juíza que compare o tratamento aplicado a um e a outro caso — Cristiano Ronaldo quer que Mónica Gómez Ferrer apure as exigências fiscais que foram feitas ao contrato de Messi com a Adidas e as que lhe foram impostas em relação ao contrato que tem com a Nike. O El Mundo conta que, no caso do jogador argentino, o Fisco tributou o acordo como receitas com origem na cessão de direitos de imagem e, no caso do Ronaldo, como receitas com origem em atuações desportivas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)