Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo acusado de usar dois paraísos fiscais para gerir os seus hotéis

218

Ronaldo terá usado offshores no Luxemburgo e na ilha de Jersey para gerir os seus negócios hoteleiros. A fase de instrução do caso em que o jogador é acusado de fraude fiscal está a terminar.

Já tinha sido revelado que o jogador utilizava offshores nas Ilhas Virgens Britânicas

ANDREU DALMAU/EPA

Cristiano Ronaldo terá usado dois paraísos fiscais para gerir os seus hotéis. Ao que já se conhecia – o uso de empresas fantasma nas Ilhas Virgens Britânicas para resguardar as receitas publicitárias – junta-se agora outra novidade. A utilização de uma estrutura offshore pelo jogador português usou para a gestão dos seus hotéis. Segundo o “Football Leaks”, desde junho de 2015 que o avançado do Real Madrid fez negócios através de uma holding no Luxemburgo e um fundo em Jersey, ilha no Canal da Mancha: a empresa luxemburguesa CRS Holding encarregava-se de administrar as participações de Cristiano Ronaldo em vários negócios turísticos que são propriedade do fundo em Jersey.

Tanto a holding como o fundo estão em nome de uma empresa intermediária, a Private Trustees, e o nome de Cristiano Ronaldo não surge em nenhum dos documentos públicos das sociedades. Contudo, o El Mundo analisou a documentação presente no processo “Football Leaks” e descobriu uma declaração de acionistas da Private Trustees em que jogador português surge como o “único beneficiário” do esquema.

Tal como acontece com a gestão das receitas publicitárias, não é ilegal gerir negócios hoteleiros através de offshores. Contudo, as Finanças espanholas consideram que Cristiano Ronaldo não declarou o valor suficiente no que toca aos direitos de imagem: o futebolista desviou 150 milhões de euros para as Ilhas Virgens Britânicas e só declarou 22,7 milhões de euros. Cabe agora à Agência Tributária perceber se Ronaldo pagou os impostos adequados desde junho de 2015.

A notícia do El Mundo surge numa altura em que a fase de instrução do caso em que Cristiano Ronaldo é acusado de fraude fiscal no valor de 14,7 milhões de euros está a dias de terminar.

Críticas à juíza e pedido para aceder ao arquivo fiscal de Messi

Ronaldo criticou esta semana pela primeira vez a juíza espanhola responsável pelo caso em que é acusado dessa fraude de 14,7 milhões de euros. A defesa do jogador português acusou a magistrada Mónica Gómez Ferrer de ter critérios “irracionais, subjetivos e incompreensíveis” por ter negado o acesso ao arquivo fiscal de Lionel Messihá uns dias, Ronaldo solicitou a consulta da documentação que a Agência Tributária elaborou sobre a fraude fiscal do jogador do Barcelona.

O internacional português defende que as Finanças espanholas utilizaram “critérios díspares” para analisar contratos de patrocínio “idênticos” e pediu à própria juíza que compare o tratamento aplicado a um e a outro caso — Cristiano Ronaldo quer que Mónica Gómez Ferrer apure as exigências fiscais que foram feitas ao contrato de Messi com a Adidas e as que lhe foram impostas em relação ao contrato que tem com a Nike. O El Mundo conta que, no caso do jogador argentino, o Fisco tributou o acordo como receitas com origem na cessão de direitos de imagem e, no caso do Ronaldo, como receitas com origem em atuações desportivas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
227

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)