Política

PS e CDS trocam piadas nas redes sociais. Cristas assume-se líder da oposição

307

Rato Mickey, fantasia, publicações apagadas e vitórias morais. Melo comparou o Congresso do PS ao mundo da Disney, o PS reagiu e agora Cristas reclama o lugar de líder da oposição.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso
Mais sobre

Mais uma sequela do filme de animação em que se transformou a relação entre democratas-cristãos e socialistas. Primeiro, foi Nuno Melo a sugerir que se sentia na Disneyland Paris em pleno Congresso do PS, tal o grau de “fantasia” que reinava por aquelas bandas. O PS não se ficou e respondeu na mesma moeda: se Melo se sentia na Disney, então umas virtuais orelhas de rato Mickey ficavam mesmo a matar. Esta quarta-feira, na resposta à resposta, Assunção Cristas decidiu reclamar a vitória moral e assumir-se como “líder da oposição”.

No Twitter, a líder do CDS partilhou a montagem feita pelos socialistas com a imagem de Nuno Melo e quis ver nessa reação o reconhecimento de que o PS a vê como principal challenger de António Costa. “Quando somos elevados ao humor pela mão dos nossos adversários consagramo-nos na liderança da oposição”, escreveu a democrata-cristã.

Não fica claro se Cristas está mesmo convencida disso ou se está a dar continuidade a esta troca de piadas entre PS e CDS — os emojis que usa para complementar o tweet dão para tudo: um braço a simbolizar força, e uma cara a chorar a rir.

Na véspera, os socialistas tinham usado a conta oficial do partido no Twitter para reagir com humor à provocação de Nuno Melo. O PS publicou uma montagem em que enfeitava o vice-presidente do CDS com umas orelhas virtuais de rato Mickey, sem dispensar o chapéu de mágico e mais alguns elementos do filme de animação “Fantasia”, um dos mais emblemáticos da Disney.

A publicação seria depois apagada sem explicação formal. Ao Observador, João Galamba explicou que se “tratou de um erro” de alguém que queria partilhar aquele conteúdo na sua conta pessoal e confundiu as duas contas. “Quando me apercebi do erro, mandei apagar”, resume o deputado socialista. Mas o post já seguia imparável nos corredores virtuais. A troca de galhardetes começa no domingo, ainda em plena sessão de encerramento do 22º Congresso do PS. No domingo, o eurodeputado usou o Facebook para dizer que se sentia “no Congresso do PS, com a mesma sensação de quem visita o pavilhão da fantasia da Disney em Paris”.

O sentido de humor (ou a falta dele, dependendo das diferentes sensibilidades) não foi compreendido por todos. Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, reagiu de imediato à provocação de Nuno Melo: “É com dirigentes deste partido, convidados para nossa casa por respeito institucional e democrático, que alguns camaradas meus acham exequível fazer entendimentos para ‘reformas estruturais’. Boa sorte…”, escreveu o socialista.

Nuno Melo acabaria por tentar acalmar os ânimos. Ao Observador, o eurodeputado explicou que a legenda por ele escrita correspondia a um comentário meramente metafórico. “Pobre de quem está em política e não consegue interpretar o que é óbvio”, sugeriu Melo. Resta saber se haverá um quarto filme.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)