Rádio Observador

Donald Trump

Trump para Marcelo: “E se Ronaldo se candidatasse a Presidente?”; Resposta de Marcelo: “Portugal não é os EUA”

6.099

O Presidente português e o presidente norte-americano reuniram-se na Casa Branca. "Um encontro caloroso", diz Marcelo. Houve convergências e divergências. E houve Cristiano Ronaldo.

LUSA

Já terminou a reunião entre Trump e Marcelo na Casa Branca, e um dos temas da declaração conjunta — que acabou por se transformar numa conferência de imprensa improvisada de Trump — foi Vladimir Putin, pela próxima cimeira Rússia-EUA que o presidente americano confirmou para breve. Pode até incluir uma aparição de Trump na final do Mundial, cuja organização o líder norte-americano elogiou, com palavras simpáticas para homólogo russo.

“Eu também estive com Putin”, disse Marcelo, “mandou-lhe cumprimentos”.  Se Trump não se comprometeu com o apoio a nenhuma das seleções em jogo, Marcelo aproveitou a deixa e tentou criar uma espécie de empatia ao lembrar que Portugal tem lá o melhor jogador do mundo, Cristiano Ronaldo. Não ficou claro se Trump sabia exatamente quem era o jogador português — o filho é que é suposto ser um grande admirador de “soccer” — mas o presidente dos EUA perguntou a Marcelo se achava que ele era assim tão bom. Depois tentou fazer a conversa regressar à política: “E diga-me, acha que um dia o Christian (SIC) se vai candidatar a presidente contra si?”

Marcelo sorriu, inclinou-se, e explicou-lhe que os sistemas nos dois países são diferentes.”Portugal não é bem os Estados Unidos da América”.

De facto, não faltam divergências entre os dois países, e voltaram a estar em cima da mesa das reuniões, com referências à guerra comercial ou à política norte-americana de imigração. Trump disse estar a trabalhar para “ter acordos comerciais justos” e anunciou estar em negociações “com representantes” europeus. Marcelo sabia do que falava Trump, uma reunião que já está agendada com o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker. Isso “são boas notícias”, disse o chefe de Estado português depois de ouvir Donald Trump defender que as tarifas alfandegárias sobre importações de aço e de alumínio da União Europeia, do México e do Canadá “têm sido incríveis” para a economia norte-americana.

Apesar disso, mais tarde, aos jornalistas portugueses Marcelo Rebelo de Sousa classificou o encontro como “caloroso do início ao fim”. Isso não quer dizer, insiste o Presidente da República, que tenha ficado alguma coisa por dizer: “não houve nada de relevante, daquilo que é convergente e daquilo que é divergente, que não fosse falado”.

Marcelo insiste que mesmo nas matérias onde não há acordo, houve “calor”. “Creio que consegui fazer-me explicar”, diz Marcelo, que terá explicado porque é que não faz sentido o antagonismo dos Estados Unidos com um forte aliado como a União Europeia, nas trocas comerciais ou na defesa, ou porque é que Portugal tem uma política de acolhimento de imigrantes e tem “uma tradição de inclusão”.

Esse foi, porventura, o tema que deixou Marcelo mais desconfortável na conversa pública entre os dois chefes de Estado, quando Trump lhe diz:”Não sei o que pensa sobre este assunto, mas nós acreditamos em fronteiras fortes para diminuir a criminalidade”. O Presidente português não conseguiu disfarçar a discordância numa linguagem corporal que mais tarde admitiria ter sido “talvez excessiva”, a forma como inclinou a cabeça.

Frente aos jornalistas, na declaração dos dois presidentes na Sala Oval, Trump disse ser uma “honra” receber o “popular” presidente de Portugal. Marcelo também fez o seu papel e recordou a longa amizade entre os dois países, a importância da comunidade portuguesa nos Estados Unidos – Trump também sabia os números de cor: “são muito importantes, cerca de um milhão e meio”. Marcelo puxou da história para lembrar que Portugal foi o primeiro país neutral a reconhecer a independência dos Estados Unidos “ uma decisão corajosa, porque tínhamos do outro lado o nosso maior aliado, a Inglaterra”. E ainda contou a Trump que o brinde dos Pais Fundadores à independência americana foi feito com vinho da Madeira.

Amigos e parceiros numa relação baseada, segundo Marcelo, “nos valores comuns, a democracia, a liberdade, o estado de direito e os direitos.”  Trump classificou as relações entre os dois países como “tremendas, nunca estiveram melhores”. E Marcelo, concorda? Aos jornalistas portugueses diria mais tarde que, “independentemente dos protagonistas, há hoje uma realidade entre os povos e os estados e há um contexto que nunca foi tão propício” ao estabelecimento de pontes.

É isso que Portugal quer ser, diz o Presidente, uma ponte entre os Estados Unidos, com quem há laços históricos, a Inglaterra, o mais velho aliado, e a União Europeia.

Marcelo classificou esta passagem pela Casa Branca como “um encontro que atingiu os objetivos pretendidos”, e destacou, no plano das relações bilaterais, as áreas da energia e da defesa.

Depois do encontro, o Presidente dos Estados Unidos publicou um vídeo na rede social twitter — que usa frequentemente como ferramenta para fazer política — onde diz que “foi uma grande honra” receber na Casa Branca o Presidente de Portugal.

 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: pbenevides@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)