Papa Francisco

Depois da polémica, Papa agradece a D. Manuel Clemente documento sobre divorciados

176

O Papa Francisco agradeceu a D. Manuel Clemente o documento do cardeal patriarca de Lisboa sobre os divorciados recasados, que se tornou polémico por propor a abstinência sexual a estes casais.

D. Manuel Clemente publicou em fevereiro um documento sobre o acolhimento da Igreja aos divorciados que voltaram a casar

RUI MIGUEL PEDROSA/LUSA

O Papa Francisco enviou uma carta ao cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, em que lhe agradece pela “aprofundada reflexão” que levou a cabo a propósito do capítulo VIII da exortação apostólica Amoris Laetitia, sobre a abordagem da Igreja Católica aos casais divorciados que tornaram a casar pelo civil.

Em causa está uma nota pastoral publicada em fevereiro deste ano e que se tornou polémica porque, nela, o cardeal patriarca de Lisboa diz aos padres da sua diocese que não devem “deixar de propor a vida em continência” aos casais que estão unidos em segundo casamento que não tenham tido o seu matrimónio católico declarado nulo — ou seja, propondo aos divorciados que voltaram a casar que se abstenham de ter relações sexuais.

Venho agradecer-lhe o envio, por ocasião da Quaresma passada, da Nota que dirigiu aos sacerdotes do Patriarcado sobre a aplicação do capítulo VIII da Exortação Apostólica Amoris laetitia. Esta sua aprofundada reflexão encheu-me de alegria, porque reconheci nela o esforço do pastor e pai que, consciente do seu dever de acompanhar os fiéis, quis fazê-lo começando pelos seus presbíteros para poderem cumprir da melhor forma o ministério”, lê-se na carta enviada pelo Papa ao cardeal patriarca.

“As situações da vida conjugal constituem, hoje, um dos campos onde tal acompanhamento é mais necessário e delicado. Por isso mesmo, quis chamar o Colégio Episcopal a um itinerário sinodal prolongado, que propiciasse — apesar das dificuldades inevitáveis — a maturação de orientações compartilhadas em benefício de todo o povo de Deus”, continua o Papa Francisco na missiva datada de 26 de junho deste ano.

Na altura, e depois da publicação da notícia do jornal Público que deu origem à polémica, o diretor do serviço de Pastoral Familiar do Patriarcado de Lisboa, disse ao Observador que era “redutor” dizer que D. Manuel Clemente aconselhava os divorciados recasados a absterem-se de ter relações sexuais. “Não é D. Manuel quem aconselha, é o Papa João Paulo II. Esta recomendação já vem da exortação apostólica Familiaris Consortio, de 1981″, afirmou o padre Rui Pedro Carvalho.

Na verdade, a referência à abstinência sexual nestes casos não é exclusiva de D. Manuel Clemente. Depois de o Papa Francisco ter publicado a exortação apostólica Amoris Laetitia, um grupo de bispos argentinos escreveu um documento interpretativo em que é referida a questão da abstinência sexual, que o Papa Francisco validou e incluiu no magistério da Igreja. Depois disso, vários bispos de todo o mundo — incluindo D. Manuel Clemente — escreveram documentos semelhantes para as suas dioceses.

Mais tarde, o cardeal patriarca deu uma entrevista ao Expresso em que reconheceu que escreveu um documento muito curto, em que “as coisas não ficam tão bem explicadas como em textos mais longos”, e assumiu ter sido “mal interpretado”. “Eu quis fazer um pronto a servir e talvez tenha sido esse o perigo”, disse D. Manuel Clemente.

O cardeal patriarca, que é também o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, admitiu ainda que a Igreja tem de “cuidar melhor da comunicação”. “Uma nota feita para uma reunião de vigários e publicada no site da diocese, é claro que toda a gente lê! Temos realmente de ter mais cuidado“, reconheceu D. Manuel Clemente.

Na carta divulgada esta quinta-feira, o Papa Francisco não só exprime a sua “gratidão” como incentiva o cardeal “e seus colaboradores no ministério pastoral – in primis os sacerdotes – a prosseguirem, com sabedoria e paciência, no compromisso de acompanhar, discernir e integrar a fragilidade, que de variadas formas se manifesta nos cônjuges e nos seus vínculos”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt
Democracia

O custo da não-participação

Vicente Ferreira da Silva

Manter a liberdade e/ou a democracia é mais difícil do que a conquistar. Fará diferença, para quem não participa, viver em democracia ou em ditadura?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)