Angola

Dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares

O Ministro das Finanças angolano, Archer Mangueira, referiu que para amortizar a dívida de Angola à China terão de ser criados projetos que potenciem um encaixe financeiro a médio e longo prazos.

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro das Finanças angolano, Archer Mangueira, disse esta terça-feira que a dívida de Angola à China ronda os 23 mil milhões de dólares (19.659 milhões de euros), reportou a agência noticiosa Angop, num despacho a partir de Pequim.

Archer Mangueira, que se encontra na capital chinesa a acompanhar a comitiva o Presidente angolano, João Lourenço, à terceira cimeira do Fórum de Cooperação China-África (FOCAC), referiu que para amortizar a dívida de Angola à China terão de ser criados projetos que potenciem um encaixe financeiro a médio e longo prazos.

Numa altura em que o Presidente chinês, Xi Jinping, anunciou que o “gigante” asiático vai perdoar a dívida com as nações africanas com as quais tem relações diplomáticas, Archer Mangueira não adiantou se Angola vai ou não beneficiar desse perdão. No quadro do perdão anunciado por Xi Jinping estão as nações africanas consideradas menos desenvolvidas ou com fraca capacidade económica.

Segundo o despacho da Angop, no primeiro trimestre do ano em curso, as trocas comerciais entre os dois países cresceram 22,4%, tendo atingido 6.800 milhões de dólares (5.812 milhões de euros). Neste período, a China vendeu a Angola produtos avaliados em 481 milhões de dólares (411 milhões de euros) e comprou mercadorias avaliadas em 6.320 milhões de dólares (5.408 milhões de euros).

Em 2017, o comércio entre os dois países cresceu 43,42%, para 22.340 milhões de dólares (milhões de euros), com a China a comprar mercadorias a Angola no valor de 20.047 milhões de dólares (20.553 milhões de euros), maioritariamente petróleo, e a vender a Luanda bens no montante de 2.297 milhões de dólares (1.963 milhões de euros).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A hipocrisia da política de sanções /premium

José Milhazes

A Europa perdoou à Rússia a agressão à Ucrânia, a invasão da Geórgia em 2018 e dá mais uma prova de “misericórdia” em 2019. A que se deverá este acto que traz à memória o famigerado Acordo de Munique?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)