Rádio Observador

Manifestações

Um milhão de pessoas nas ruas de Barcelona pede a independência da Catalunha

Um milhão de pessoas participou numa manifestação nas avenidas do centro de Barcelona por ocasião do Dia da Catalunha. Pediam a criação da "República Catalã" e a liberdade dos independentistas presos.

ALEJANDRO GARCIA/EPA

Um milhão de pessoas, segundo a polícia municipal, participou na tarde desta terça-feira numa manifestação nas avenidas do centro de Barcelona por ocasião de “A Diada”, o Dia da Catalunha, para pedir a criação da “república catalã” e a liberdade dos independentistas presos. Na sua conta na rede social Twitter, a polícia municipal da capital catalã avançou que a concentração deste ano teve “cerca de um milhão” de pessoas, o que demonstra um poder de mobilização idêntico ao de 2017.

Um ano depois da tentativa frustrada de ganhar a independência de Espanha e numa altura em que os seus principais dirigentes estão na prisão ou no exílio, o movimento separatista consegue assim provar que continua a mobilizar uma parte importante dos catalães. As comemorações de “A Diada” começaram precisamente às 17:14 (16:14 em Lisboa) numa alusão à tomada de Barcelona em 11 de setembro de 1714 pelas tropas do rei Felipe V, que suprimiu a autonomia da região.

Os manifestantes empunhavam milhares de bandeiras separatistas e gritaram pela “independência” da região na conhecida avenida Diagonal de Barcelona. A coreografia realizada pela influente associação cívica separatista Assembleia Nacional Catalã (ANC) mostrou um muro a cair, o que simbolizou os obstáculos que os catalães têm de ultrapassar para conseguir chegar à independência.

Por seu lado, as forças apoiantes da unidade de Espanha, que não estiveram presentes na concentração, criticaram que o Dia da Catalunha fosse aproveitado, mais uma vez, pelos independentistas e tenha deixado de ser um dia festivo de todos os catalães. “Diada pela República” foi o tema da manifestação, que é utilizada anualmente para defender a causa da independência com imagens de uma concentração ordeira e de grandes dimensões que passam em todas as televisões do mundo.

Os independentistas reclamam há muito tempo um referendo regional sobre a independência da Catalunha, em moldes semelhantes aos que foram realizados no Quebec (Canadá) ou na Escócia (Reino Unido). A Constituição de Espanha apenas permite uma consulta eleitoral que ponha em causa a unidade do país se esta for realizada a nível nacional.

O processo de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma na sequência da realização de um referendo de autodeterminação organizado pelo executivo regional independentista em 01 de outubro do mesmo ano que foi considerado ilegal.

As eleições regionais, que se realizaram a 21 de dezembro último, voltaram a ser ganhas pelos partidos separatistas. Nove dirigentes independentistas estão presos à espera de julgamento por delitos de rebelião, sedição e/ou peculato pelo seu envolvimento na tentativa separatista falhada. Os independentistas consideram que os detidos em prisões espanholas pelo seu envolvimento na tentativa de autodeterminação são “presos políticos”.

O principal líder independentista, o ex-presidente da Generalitat Carles Puigdemont, vive exilado na Bélgica, depois de a Justiça espanhola não ter conseguido a sua extradição da Alemanha, para ser julgado por crime de rebelião. O conflito entre Madrid e a região mais rica de Espanha, com cerca de 7,5 milhões de habitantes, uma dimensão de um terço da área de Portugal, uma língua e culturas próprias, arrasta-se há várias décadas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
132

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)