Política

Lisboa: deputado municipal que rompeu com o Bloco contratado para a EMEL

6.984

O deputado municipal de Lisboa e ex-adjunto de Ricardo Robles, Rui Costa, desfiliou-se do Bloco de Esquerda no início de setembro. Menos de um mês depois foi contratado pela EMEL.

O deputado municipal Rui Costa foi contratado para a EMEL depois de, no início de setembro, ter cortado as suas ligações ao Bloco de Esquerda, partido pelo qual foi eleito para a Assembleia Municipal de Lisboa. O também ex-adjunto de Ricardo Robles decidiu sair do partido mas continuou a exercer o mandato de deputado municipal como independente. O Observador sabe que a sua contratação está a ser vista com desconfiança, tanto pelos adversários políticos na Câmara de Lisboa como na própria EMEL.

Contactado pelo Observador, Rui Costa, que começou o seu novo trabalho a 1 de outubro, vai direto ao assunto. “Estão a dizer que, através desta contratação, o PS está a tentar comprar o meu voto na Assembleia Municipal? Não podiam estar mais enganados… Quem diz isso é porque não me conhece”, começa por dizer. “Modéstia à parte, tenho atrás de mim uma aura de irreverência e de pensamento próprio que não deixarei que seja posta em causa por esta contratação”, completa.

O agora deputado independente entrou para o Bloco de Esquerda depois de ter sido um ativo militante socialista. Entre 1996 e “os primeiros anos do socratismo”, fez parte do PS, mas acabou por deixar o partido pouco tempo depois de José Sócrates ter chegado à liderança. Uma fase que entendeu como negativa e que o fez saltar para uma força política mais à esquerda. Mesmo essa passagem pelo PS, assim como o conhecimento travado com Fernando Medina “nos tempos da faculdade” em nada interfere com a sua entrada para a EMEL, garante. “Tenho um currículo muito aceitável ligado à administração autárquica”, vaticina.

Apesar de negar terminantemente que se trate de uma contratação para tentar “comprar” os seus votos na Assembleia Municipal, Rui Costa sabe que essa leitura pode ser feita. No limite, até pode ter havido essa intenção, mas o deputado municipal diz que ficaria “muito desiludido” se essa possibilidade alguma vez tivesse passado pela cabeça de quem decidiu contratá-lo. “Se for feita justiça, pode verificar-se que votei várias vezes contra o Bloco de Esquerda assim como votei várias vezes contra o PS. E é assim que vou continuar a fazer, agora como independente: votar de acordo com aquilo que penso e cumprindo com o programa pelo qual fui eleito”, complementa.

E para colocar um ponto final “nessas teorias”, como as caracteriza, puxa do argumento temporal. “O primeiro contacto que recebi neste sentido foi feito enquanto ainda estava ligado ao Bloco de Esquerda”, assegura. Um dado que bate certo com a cronologia descrita pelo presidente da EMEL, Luís Natal Marques, ao Observador. “O primeiro contacto foi feito antes do verão”, confirma.

EMEL nega ingerência do PS

“A contratação do Dr. Rui Costa vem suprir uma lacuna que existia na empresa, na área jurídica, que se prende com o direito rodoviário”, explica o presidente da EMEL. A decisão, “como todas as contratações para a empresa”, foi tomada pela “Administração da EMEL”, assegura.

Luís Natal Marques apenas aceitou responder por escrito às perguntas do Observador, alegando razões de agenda para a sua indisponibilidade. À questão sobre se o PS, através do presidente da CML, Fernando Medina, ou do vereador com o pelouro da EMEL, Miguel Gaspar, tinha interferido na decisão, respondeu de forma sucinta: “as respostas anteriores respondem a esta questão”, dando a entender que a decisão foi tomada pela administração. No entanto, não esclarece se houve ou não pressões por parte do PS para que fosse dada luz verde à contratação de Rui Costa.

Sobre as eventuais leituras políticas que pudessem decorrer da contratação do ex-bloquista, o presidente da empresa municipal voltou a lembrar as razões que diz terem norteado a decisão. “A nossa preocupação, e o trabalho que temos vindo a desenvolver na EMEL, estão focados em prestar o melhor serviço à população de Lisboa, permitindo-lhe melhor mobilidade e mais segurança. Para o garantir, sentimos a necessidade de reforçar o nosso gabinete jurídico, nomeadamente no que respeita o direito rodoviário, razão que nos levou a avançar com a contratação do Dr. Rui Costa”, reafirma.

Rui Costa tem uma vasta experiência autárquica e jurídica. É advogado, licenciado em direito pela FDUL, tendo passado quer pelo Conselho Diretivo da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa quer pelo Senado da Universidade de Lisboa. Foi deputado municipal em S. Pedro do Sul entre 1997 e 2001 e vereador da Câmara Municipal de S. Pedro do Sul de 2001 a 2005. Sempre pelo PS. Regressaria àquela Assembleia Municipal em 2009, encabeçando a lista do Bloco de Esquerda.

O deputado municipal sempre foi muito crítico das empresas municipais, como o próprio reconhece na conversa com o Observador. Mas isso, diz, não é incoerente com o facto de ter aceitado o novo cargo. “No máximo, é irónico“, defende-se. A motivação para aceitar o convite foi simples: “entendi que se tratava de um ótimo desafio”.

Começou a trabalhar na EMEL há pouco tempo mas diz ter sido bem recebido e nega que tenha havido qualquer tensão com a sua chegada. “Não notei nenhum sururu“, conta, contrariando as indicações de desconforto que tinham sido relatadas ao Observador.

O Bloco de Esquerda recusa-se a tecer comentários sobre a contratação. “Não temos qualquer informação sobre a sua situação profissional“, afirma ao Observador fonte do partido na autarquia. “Rui Costa, eleito deputado municipal nas listas do Bloco de Esquerda nas autárquicas de 2017, desvinculou-se do partido por divergência política. Tendo recusado renunciar ao mandato que lhe foi conferido pelos votos na lista do Bloco de Esquerda, passou a ser deputado independente na Assembleia Municipal de Lisboa”, esclarece ainda a mesma fonte, chutando para canto qualquer responsabilidade sobre o percurso de ex-adjunto de Ricardo Robles desde que rompeu as relações com os bloquistas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt
Reforma do Estado

Uma comissão Leopardo?

Tiago Macieirinha

É preciso alguma dose de ingenuidade ou voluntarismo para assumir que é possível conceber uma reforma séria do Estado com sete personalidades num espaço de um ano.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)