Rádio Observador

PSP

Sindicato da PSP que divulgou fotografias de assaltantes algemados mostra polícia no hospital. “Espera-se uma reação do sr. ministro”

1.592

O sindicato diz que o post não está relacionado com as críticas à imagem dos assaltantes detidos. Ao Observador, acrescentam que não sabem quem tirou essa primeira foto, apesar de a terem publicado.

O sindicato que foi alvo de críticas do ministro por divulgar imagens de assaltantes no momento da captura decidiu agora pedir "uma reação" a Eduardo Cabrita a uma fotografia de um polícia hospitalizado

Facebook

O sindicato da PSP que divulgou fotografias dos assaltantes que fugiram do tribunal do Porto e que agrediam idosos voltou a partilhar fotografias. Desta vez, o Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública mostra um agente em duas imagens: à esquerda com o uniforme vestido, à direita numa maca de hospital. “Espera-se uma reação do senhor ministro, já sabemos que ser polícia é ser cidadão de terceira”, refere este sindicato.

O alvo da mensagem é o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Ainda assim, Peixoto Rodrigues, presidente do Sindicato Unificado da PSP, afirmou que a mensagem não é uma resposta às críticas de Cabrita à divulgação das imagens dos detidos. O ministro tinha considerado “absolutamente inaceitável” essa divulgação, tendo ainda requerido à Inspeção-Geral da Administração Interna que abrisse um inquérito quer à fuga dos assaltantes do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto, quando estavam sob guarda das autoridades, quer à divulgação das imagens no Facebook. Também a PSP decidiu abrir um inquérito interno para investigar a divulgação das imagens.

Cada vez que um polícia é agredido nós publicamos. Não tem nada a ver com aquelas imagens que surgiram, com aquela fotografia dos suspeitos que foram detidos no Porto. A nossa intenção é sempre demonstrar ao público em geral e ao poder político em particular as condições em que os polícias trabalham. Os polícias são alvos de agressões diárias, umas mais graves do que as outras, e esta teve alguma gravidade porque aconteceu no domingo e ainda ontem [segunda-feira] o polícia teve de ser intervencionado”, referiu o sindicalista.

Na publicação, o sindicato critica ainda “os defensores dos direitos, liberdades e garantias” que consideram que “isto é apenas o risco da profissão”.

Quem tirou fotografia dos assaltantes “não o devia ter feito”

Mais ou menos à mesma hora em que a fotografia do polícia agredido era publicada, o Sindicato Unificado da PSP publicava outro post, esse sim relacionado com as declarações proferidas por Eduardo Cabrita e Marcelo Rebelo de Sousa, na sequência da divulgação das imagens dos assaltantes detidos. Essa segunda publicação interpelava, aliás, diretamente o “senhor MAI” (Ministro da Administração Interna) e “PR” (Presidente da República), considerando “lamentável” que estes “façam uma avaliação de prognose em como as fotos [dos detidos] foram tiradas por polícias”.

Lamentável que o senhor MAI e PR façam uma avaliação de prognose em como as fotos foram tiradas por policias.

Posted by Sindicato Unificado da Polícia de Segurança Pública on Tuesday, October 23, 2018

Ao Observador, o presidente deste sindicato afirmou considerar que “há alguma precipitação porque está a decorrer um inquérito a quem tirou a fotografia daqueles suspeitos. Dá-me a sensação que já estão a incriminar [os polícias]. A detenção foi feita num local público onde passam muitas pessoas e qualquer pessoa pode ter tirado aquela fotografia”.

Questionado sobre se não sabia quem tinha tirado a fotografia, visto que o seu Sindicato partilhou-a na sua página oficial de Facebook, Peixoto Rodrigues garantiu que partilhou a fotografia “de uma outra imagem de uma página particular que a tinha publicado. Publiquei a partir daí. Depois houve muita controvérsia e apaguei. De forma alguma quis pôr em causa a dignidade dos detidos. O respeito que tenho é exatamente igual face a alguém que tenha sido detido ou não”. Peixoto Rodrigues garantiu que não conhece o autor da primeira divulgação da fotografia no Facebook, reencaminhando essa divulgação para o “post” feito pelo Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia.

Se alguém tirou aquela fotografia e publicou foi uma mera coincidência e não o deveria ter feito”, acrescentou o presidente do Sindicato Unificado da PSP.

Este domingo, outra organização policial, o Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia (SVCP), tinha partilhado imagens de idosos alegadamente agredidos por estes assaltantes, acompanhadas da seguinte mensagem: “Por favor, Sr. Ministro do MAI, senhores da Amnistia Internacional, Sr.ª Câncio e todos os demais… indignem-se”. As imagens vieram a revelar-se falsas, já que retratam idosos que foram agredidos noutros países e não idosos agredidos por este grupo de assaltantes, capturado em Gondomar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt
Racismo

A Instrumentalização Política do Preconceito (2)

Vicente Ferreira da Silva e Miguel Granja
132

A ideia de que certos indivíduos membros da espécie humana pelo facto de partilharem alguns atributos arbitrários se esgotam em predicados grupais é objectivamente racista e sexista.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)