Rádio Observador

Fact Check

Um dos sindicatos da PSP utiliza montagem falsa para atacar ministro

2.727

Um dos sindicatos da PSP utilizou imagens de idosos agredidos, sugerindo que eram vítimas dos suspeitos que fugiram do tribunal. É falso: fotografias são de idosos agredidos no estrangeiro.

TIAGO PETINGA/LUSA

As imagens de quatro idosos espancados têm sido partilhadas nas redes sociais ao lado das fotografias dos três suspeitos de assaltos violentos que fugiram do Tribunal de Instrução Criminal do Porto no momento em que foram capturados. A associação que é feita nas várias publicações é que aqueles idosos são vítimas das agressões dos suspeitos, como forma de justificar e desculpabilizar o facto de um sindicato da polícia (o Sindicato Unificado da PSP) ter publicado uma fotografia dos suspeitos no momento da detenção. No sábado, foi a vez de outro sindicato da PSP, o Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia, utilizar as imagens de idosos agredidos para atacar as declarações do Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. Problema: a montagem é falsa. As imagens são de idosos agredidos, mas noutros países e não pelos suspeitos capturados em Gondomar.

A montagem utilizada pelo sindicato da polícia parte de outra imagem partilhada e comentada milhares de vezes nos últimos dois dias nas redes sociais. No lado esquerdo da montagem divulgada vê-se a imagem de os suspeitos no momento da captura e no lado direito vê-se quatro idosos espancados, apresentados como vítimas dos alegados criminosos. O que é falso.

A montagem tem sido partilhada e comentada por milhares de pessoas nas redes sociais nos últimos dois dias e serviu de base à montagem feita pelo sindicato da PSP.

Começando pela primeira imagem da direita, trata-se de Catherine Smith, uma idosa inglesa que foi violentamente agredida com uma trela de cão a 27 de julho de 2017 no sul de Londres, no Reino Unido. A história foi noticiada a 31 de julho de 2017 pela BBC e por vários outros órgãos de comunicação.

A agressão foi noticiada em julho de 2017 na BBC.

A segunda imagem da direita, corresponde a um idoso que foi brutalmente espancado em novembro de 2015 na madrugada na Barra da Tijuca, na zona Oeste do Rio de Janeiro, no Brasil. John Charles Junyent, de 78 anos, era chefe de cozinha e dono do restaurante La Botticella, na Barra da Tijuca e foi atacado por um homem que tinha sido seu funcionário durante quatro anos. O caso foi noticiado pelo jornal Extra, da Globo, a 23 de novembro de 2015.

A notícia no jornal Extra, da Globo, sobre o idoso espancado no Rio de Janeiro, no Brasil, em novembro de 2015

A terceira imagem da direita corresponde a um idoso que foi espancado em Tremedal, na Bahia (Brasil), em julho de 2013. O idoso vivia numa fazenda, afastada do centro da cidade, e um assaltante fez-se passar por um neto para que abrisse a porta. Acabou atacado e casa foi revirada. Os assaltantes procuravam dinheiro, pois teriam sabido que o idoso tinha acabado de vender um carro. O caso foi noticiado pelo G1, da Globo, a 15 de julho de 2013.

A notícia, no G1 da Globo, sobre o idoso espancado na Bahia, foi publicada a 15 de julho de 2013

A quarta e última imagem da sequência, no quanto inferior direito, corresponde a Barbara Bransfield, uma mulher de 63 anos que foi atacada por dois homens em casa na madrugada de 19 de julho de 2016, na zona de Manchester, no Reino Unido. A história foi contada pela edição britânica do jornal Metro, a 30 de dezembro de 2016 quando foi deduzida acusação contra os atacantes.

A história de uma idosa espancada em casa, perto de Manchester, no Reino Unido, foi contada pelo jornal Metro em dezembro de 2016

Conclusão: Errado

Um “fact check” às imagens prova que os idosos não foram vítimas dos suspeitos portugueses, mas sim de ataques realizados noutros países. Quando atacou o ministro na sua página no Facebook, o Sindicato Vertical de Carreiras da Polícia usou três destas imagens que circulam pelas redes sociais. Os homens capturados pela PSP são, de facto, suspeitos de roubos a idosos e de terem utilizado a violência física nesses assaltos. Os idosos agredidos em Portugal não têm é nada a ver com os que aparecem nas imagens partilhadas.

A própria PSP já estava igualmente a ser criticada por ter permitido que fotografias dos idosos agredidos (que se prevê que constem dos inquéritos policiais) fossem divulgadas. Não foi o caso. Agentes da PSP divulgaram a foto dos suspeitos numa posição pouco digna, mas não das vítimas.

Após ser questionado pelo Observador sobre a divulgação das imagens, o sindicato explicou que “não tem acesso por qualquer forma a pormenores ou a quaisquer outros factos constantes no Processo Crime porque este encontra-se em Segredo de Justiça”. O vice-presidente do sindicato acrescentou ainda que “mesmo que [o caso] não estivesse [em segredo de justiça] não é apanágio dos investigadores da PSP divulgarem factos neles constantes, porque efetivamente são profissionais de grande competência, reconhecida por todos, desde magistrados de Ministério Publico, juízes ou mesmo advogados”. O Observador já enviou igualmente questões ao Ministério da Administração Interna, das quais aguarda igualmente uma resposta.

Artigo atualizado às 19h48 com a resposta do vice-presidente do Sindicato Vertical das Carreiras da Polícia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)