Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Sony Setiawan, um funcionário do Ministério das Finanças da Indonésia, era para ter embarcado no avião da Lion Air que se despenhou esta madrugada na Indonésia, mas o trânsito congestionado na estrada Cikampek Toll, a caminho do aeroporto de Jacarta, levou-o a perder o Boeing JT 610.

Em declarações à CNN, Sony disse que ia fazer a viagem com outros seis colegas, como já era rotina. Ainda enviou mensagens a um deles, mas não obteve resposta.

Às 18h30 já tinham embarcado. Ninguém me respondeu às mensagens. Se o avião estivesse atrasado, ainda poderia tê-lo apanhado, mas talvez o meu amigo não tenha respondido por ter o telemóvel desligado.”

No meio de uma sensação de desconforto que o homem confessa ter tido desde o dia anterior à tarde, acrescentou que imprimiu o bilhete de embarque, na noite anterior ao voo, com medo de se atrasar no dia seguinte, sublinhando: “Normalmente, nunca imprimo o bilhete certo”. Sony mostrou-se ainda mais incrédulo nas declarações por repetir esta viagem todas as semanas:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Fui para casa em Bandung durante a semana inteira. Todas as segundas-feiras de manhã embarcava no Lion com os meus colegas. Não sei por que é que o trânsito estava tão mau. Normalmente chego a Jacarta às 3h da manhã, mas esta manhã cheguei ao aeroporto às 6h20 e perdi o voo”, diz.

O funcionário do Ministério das Finanças indonésio apanhou um voo noutra companhia aérea e só quando chegou ao destino é que soube do acidente aéreo. Diz que qualquer gratidão que pudesse sentir por estar vivo fica manchada pelo facto de conhecer os seus seis colegas que iam a bordo e que terão falecido. “Da primeira vez ouvi a notícia chorei. Eu sabia que os meus amigos estavam naquele voo”.

Quando soube do acidente, ligou logo à família a avisar que estava bem: “A minha família estava em choque e a minha mãe chorava, mas eu disse-lhe que estava seguro, pelo que só tenho de estar grato.

Avião indonésio com 189 pessoas cai no mar 13 minutos após descolar de Jacarta