Tiroteio

Escondidos no sótão e atingidos pelo raio que caiu duas vezes no mesmo lugar. As histórias de sobrevivência do tiroteio da Califórnia

Lindsey escondeu-se no sótão e ali ficou uma hora até ser salva. Brendan já tinha sido vítima de um tiroteio em Las Vegas, há um ano, mas voltou a sobreviver — e ainda salvou algumas vidas.

Getty Images

Assim que o viu, Lindsey percebeu logo que algo de estranho se passava. Estava perto da pista de dança do Borderline Bar & Grill, o restaurante onde Ian David Long entrou com uma arma Glock 21 de calibre 45, começando de imediato a disparar sobre quem lá estava — a maioria jovens universitários. Lindsay conseguiu sobreviver porque se refugiou no sótão.

“Estava perto da pista de dança quando o homem entrou. Percebi imediatamente o que ele ia fazer. Deitei-me no chão e corri para a cozinha”, conta à CNN. “Alguns dos funcionários do bar gritaram-me para apanhar a escada e subir para o sótão. Achei uma boa ideia e foi isso, claramente, que me salvou a vida. O meu namorado levantou-me para me ajudar a entrar e ficámos ali uma hora, até a polícia chegar”, conta.

Questionada sobre como percebeu as intenções do atirador, a jovem conta que esteve “rodeada de armas” durante a maior parte da sua infância. “Conheci o som imediatamente e, num cenário daqueles, não é algo que esperamos ouvir. Por isso, assim que o primeiro tiro soou, deitei-me logo no chão e depois corri para a cozinha”.

A prova de que o raio pode cair duas vezes no mesmo lugar

Alguns dos jovens que estavam Borderline Bar & Grill já sabiam o que era sobreviver a um tiroteio. Estiveram no concerto de música country, em Las Vegas, a 1 de outubro do ano passado, quando um atirador fez 58 mortos e 500 feridos. Menos de um ano depois, o cenário repetiu-se.

Brendan Kelly foi um desses jovens. Em entrevista à ABC, contou que era habitual deslocar-se aquele bar — fazia-o duas a três vezes por semana. “É muito perto de casa. O Borderline era o nosso espaço seguro, era a nossa casa, pelo menos para os 30 ou 45 de nós que são do Condado de Ventura. Era o lugar para onde íamos durante a semana, três noites seguidas para estarmos uns com os outros”.

Brendan estava no bar há cerca de 45 minutos quando ouviu os primeiros tiros — e exemplifica o som: “Pop, pop”. O jovem, que é militar, percebeu de imediato do que se tratava. “Sei o que aquele som significa, especialmente num espaço fechado. Peguei em todas as pessoas que pude à minha volta e atirei-as para o chão, tentando ver de onde vinha aquele som. Assim que identifiquei onde estava o alvo ou onde estava a ameaça, agarrei pelo menos duas pessoas à minha volta para a saída mais próxima, que era atrás de mim”, disse.

Mas não parou por aí. Assim que começaram a sair mais sobreviventes do bar, alguns feridos, Brendan correu para ajudar e chegou a tirar o cinto para estancar o ferimento no braço de um amigo. “Quis ajudar o melhor que podia. Pensar menos e fazer mais. Naquela altura, não há tempo para emoções, tens de agir porque a vida das pessoas está em risco. Ajudar as pessoas a sair não é algo para que tenha sido treinado, é algo para o qual fui criado pela minha família”, explica.

Em seguida, veio o telefonema que não queria fazer… novamente. “Saí de perto das pessoas com quem estava e peguei no telefone. Liguei para a minha mãe, ela não atendeu, então liguei para o meu pai e disse-lhe: ‘Olá pai, passa-se qualquer coisa, mas estou a salvo. Ligo-te de volta quando puder'”.

Neste caso, o raio caiu mesmo duas vezes no mesmo lugar. Mas não há espaço para indignação — apenas gratidão. “Deus protegeu-me naquela noite de 1 de outubro e também na noite passada. Podia facilmente ter sido atingido se estivesse junto à porta principal. Tem tudo a ver com o sítio do bar onde estamos”, defende. “Estou muito grato por estar aqui sentado contigo hoje”, remata para o jornalista.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mbeu@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)