CDS-PP

Cristas diz que falsos registos são “ilegalidade gravíssima” e pede “consequências”

"Não somos todos iguais", diz Assunção Cristas, pedindo que os partidos tirem "consequências" perante a "ilegalidade gravíssima" cometida pelos deputados nos casos dos falsos registos no Parlamento.

TIAGO PETINGA/LUSA

Assunção Cristas não tem dúvidas de que na bancada parlamentar do CDS não há casos de falsos registos no Parlamento — como os casos noticiados de presenças-fantasma na bancada do PSD e da votação-fantasma de Feliciano Barreiras Duarte no Orçamento do Estado — e pede aqueles que as praticam que “tirem consequências” sob pena de todos os deputados serem postos no mesmo saco. No CDS, garante, não há casos desse: vigora “uma política de seriedade”.

Falando aos jornalistas no final de uma audiência com Marcelo Rebelo de Sousa em Belém, Assunção Cristas sublinhou que, “como em todas as profissões, também aqui não somos todos iguais”. E considerou que as atitudes em causa (o caso mais recente é o da deputada do PSD Mercê Borges que votou pelo colega Feliciano Barreiras Duarte na votação do OE) “constituem uma ilegalidade gravíssima”.

“Cada um tira as suas consequências”, disse, acrescentando que esperava que “os envolvidos pudessem ter uma reflexão sobre o assunto” para não “arrastarem todos os outros deputados” para a mesma lama. Assunção Cristas deu ainda a entender que, se houvesse notícias de atitudes semelhantes praticadas na bancada do CDS, os deputados em causa teriam de sair.

“Eu falo pelo CDS e no CDS não temos esses casos e cuidamos para que eles não existam. Há uma política de seriedade dentro do grupo parlamentar do CDS há muito tempo, que é relembrada a todos os deputados”, disse ainda, garantindo que “no CDS ninguém tem esse tipo de atitudes e, portanto, eu também recuso quando se procura englobar toda a gente no mesmo tipo de atitudes e de abordagens que, de facto, não é o caso”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)