A história conta-se em poucas palavras: uma condutora tão distraída que nem reparou que o Model S em que se deslocava não produzia o típico ruído de rolamento que emitem os automóveis com motor de combustão interna, talvez aflita pela indicação de que a autonomia do Tesla estava a terminar – o que obviamente não é sinalizado com o familiar indicador de bomba de combustível – entendeu por bem parar numa estação de serviço.

A cena ridícula que se seguiu começou aí, porque a condutora em causa parou o Model S junto a uma bomba de combustível. Ora, como não costuma sair electricidade pelas mangueiras que tradicionalmente servem para abastecer de diesel ou gasolina, os clientes que estavam atrás perceberam que o melhor seria registar o momento para a posteridade. E rir a bandeiras despregadas no processo.

A loura sai do carro, com um ar decidido, mas rapidamente fica confusa à procura daquela tampinha mágica que se abre para atestar. No caso do Tesla, seria necessariamente para recarregar. Um detalhe a que a mulher de totós despenteados não ligou nenhuma, pois mal abriu a tampa foi rapidamente buscar o cartão de crédito, preparando-se para abastecer. De mangueira na mão e de pistola apontada ao Model S, ainda tentou encaixar a dita no bocal. Quer dizer, na tomada. Felizmente, não disparou, porque poderia fazer faísca e gerar um incêndio.

O vídeo, entretanto colocado nas redes sociais, tornou-se viral. É fácil perceber por que razão: prova que há pelo menos uma pessoa no mundo que (ainda) não sabe que um carro eléctrico consome… electricidade. Mas passou a saber, quando um dos ocupantes do carro que filmava o episódio decidiu sair do veículo e esclarecê-la a respeito destas modernices.