Rússia

Justiça russa acusa norte-americano Paul Whelan por espionagem

O cidadão norte-americano acusado por espinagem na sexta-feira passada foi formalmente acusado pela justiça russa. Paul Whelan está em prisão preventiva, informou o seu advogado.

O embaixador dos Estados Unidos em Moscovo, Jon Huntsman, visitou Whelan (na fotografia) na prisão de Lefortovo, na capital russa, segundo o Departamento de Estado

WHELAN FAMILY / HANDOUT/EPA

A justiça russa acusou por espionagem o norte-americano Paul Whelan, detido em Moscovo na semana passada, anunciou esta quinta-feira o seu advogado, Vladimir Jerebenkov.

“O tribunal ordenou que ficasse em prisão preventiva”, adiantou Jerebenkov, citado pela agência pública Ria Novosti.

O advogado disse ainda ter apelado da decisão e pedido que Whelan fosse libertado sob caução.

Uma fonte que não quis ser identificada próxima do dossiê confirmou à agência Interfax que o norte-americano foi oficialmente acusado de espionagem, uma acusação que Whelan rejeita. Segundo o seu advogado, o norte-americano “comporta-se de modo construtivo” e é “tratado humanamente e com profissionalismo pelos investigadores”.

O Serviço Federal de Segurança (FSB, antigo KGB) da Rússia anunciou na segunda-feira que tinha detido Paul Whelan a 28 de dezembro, “enquanto realizava atividades de espionagem”. Num comunicado, o FSB especificava que tinha aberto um processo-crime contra o norte-americano, ao abrigo do artigo 276 do código penal (sobre espionagem), acrescentando que prosseguia a investigação sobre o caso de espionagem, um delito que na Rússia é punível com até 20 anos de prisão.

O embaixador dos Estados Unidos em Moscovo, Jon Huntsman, visitou Whelan na prisão de Lefortovo, na capital russa, segundo o Departamento de Estado.

Nascido há 48 anos no Canadá, Paul Whelan é o diretor de segurança internacional do grupo BorgWarner, um fabricante de peças do setor automóvel com sede em Detroit, segundo o seu irmão David Whelan. Nos últimos meses, o FSB denunciou um aumento das atividades de espionagem de outros países em território russo, em resposta a acusações feitas pelo Ocidente.

Moscovo denunciou várias tentativas de interferir nas eleições presidenciais de março passado, que reelegeram o presidente russo, Vladimir Putin, para um último mandato.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

FC Porto

João Félix (e youth league) /premium

João Marques de Almeida
145

Uma mensagem para todos os portistas. Vamos dar os parabéns ao Benfica, esquecer os árbitros, ganhar ao Sporting na final da Taça e apostar nos nossos jovens jogadores nas próximas épocas. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)