El Chapo Guzmán

Agente infiltrado do FBI conseguiu intercetar 1.500 chamadas de El Chapo

Através de um funcionários de 'El Chapo', o FBI conseguiu entrar no sistema de comunicação que narcotraficante instalou em vários telemóveis. Foram intercetadas 1.500 chamadas, algumas com amantes.

AFP/Getty Images

O julgamento de Joaquin “El Chapo” Guzmán, considerado o traficante de droga mais poderoso do mundo desde a morte de Pablo Escobar em 1993, continua no Tribunal Federal de Brooklyn. Desta vez, a vida gravada de ‘El Chapo’ e dos que o rodeavam foi um dos assuntos que dominaram na sala principal do tribunal.

De acordo com o The Guardian, Guzmán utilizou o seu próprio sistema de cibersegurança para espiar as suas “quatro ou cinco mulheres”. O problema: o FBI sabia disto e utilizou o sistema a seu favor através de um agente disfarçado, Charles Stephen Marston, e um homem que recrutou dentro do cartel de Sinaloa, Cristian Rodríguez, que era também o principal técnico de tecnologia do cartel.

Stephen Marston, um agente infiltrado do FBI, contou em tribunal que para entrar no “sofisticado sistema de comunicação” teve de organizar uma falsa reunião entre traficantes num hotel em Manhattan, em 2010, onde Rodríguez aceitou colaborar, sem saber que estaria a ajudar as autoridades, revelando as passwords para o sistema que Guzmán instalou nos telemóveis dos seus parceiros e das suas mulheres. A partir daí, o FBI passou a ter acesso ao que ‘El Chapo’ dizia e fazia, tendo sido intercetadas cerca de 1.500 chamadas telefónicas.

As mensagens agora reveladas mostram que o narcotraficante mandou instalar um sistema de espionagem nos telemóveis de Emma Coronel, a sua mulher, e de Agustina Cabanillas, uma das suas amantes. Numa das mensagens lidas em tribunal, ‘El Chapo’ explica à esposa como deve fazer para fugir às autoridades, revelando os detalhes de uma fuga que ele próprio teve de fazer por uma janela. “Ai amor, isso é horrível”, respondeu Emma Coronel.

Outra das chamadas que foi intercetada entre o casal quando falava sobre uma das filhas do narcotraficante, Maria Joaquina, de um ano e meio, onde ‘El Chapo’ contava os planos que tinha: “A nossa Kiki é destemida. Vou dar-lhe uma AK-47 para que possa estar comigo“. Já com uma das amantes, Agustina Cabanillas, foram lidas em tribunal mensagens trocadas entre os dois, mas também conversas em que esta dizia a outra pessoa que ‘El Chapo’ era “parvo” e que ela era “mais inteligente do que ele”.

Há também uma conversa com um gerente de um cartel e um agente chamado “Cholo Iván”, onde Guzmán pede para adiar o assassinato de pessoas que o agente sequestrou, de forma a garantir que não executava “pessoas inocentes”. Iván foi também repreendido por bater nos polícias: “Não andes a descarregar nos polícias, eles são os que ajudam. Acalma-te com eles”, disse ‘El Chapo’ na chamada.

‘El Chapo’, considerado o traficante de droga mais poderoso do mundo desde a morte de Pablo Escobar em 1993, é suspeito de ter traficado para os EUA cerca de 200 toneladas de cocaína e outras drogas ao longo de três décadas. O julgamento decorre no Tribunal de Brooklyn, em Nova Iorque, depois de, em 2016, o governo mexicano ter conseguido a extradição do barão da droga para os EUA.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Japão

Pegar o touro pelos cornos /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não deixa de ser irónico que as potências por detrás da intransigência doutrinária da Comissão Baleeira Internacional sejam as mesmas que, no século 19, exigiram ao Japão que lhes abrisse os portos...

Governo

2019 no mundo e em Portugal

Inês Domingos

Vinte anos depois do calendário, passada a crise, 2019 é o ano em que política, social e economicamente entramos realmente no novo século. Este Governo está aflitivamente impreparado para o enfrentar.

Política

O Povo é sempre o mesmo

Pedro Barros Ferreira

Trump e Bolsonaro não apareceram de gestação expontânea, antes pela sementeira criada pelos partidos e políticos que nada fazem, mas que dizem que tudo deve mudar para que, afinal, tudo fique na mesma

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)