Rádio Observador

Debate Quinzenal

O socratismo que não veio, o plano A do aeroporto e a saúde (do PSD)

110

Sociais-democratas eram poucos no primeiro debate quinzenal do ano onde acusaram Costa de pouco investir na saúde e não só. PM diz que fez mais do que Governo anterior e que o socratismo não voltou.

António Costa voltou aos quinzenais. Foi o primeiro do ano em que há europeias, regionais da Madeira e legislativas.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Debaixo do braço, António Costa trazia o Plano de Investimentos 2030 do Governo — e o pedido de consensos — mas debaixo da língua trazia também uma pontada a um PSD em ebulição interna. Não resistiu e, à primeira contestação mais forte que ouviu na bancada (muito desfalcada) social-democrata, tocou logo na ferida exposta.

Mas o debate quinzenal, o primeiro do ano de todas as eleições, foi sobretudo marcado pelas críticas que o primeiro-ministro ouviu sobre a falta de investimento na saúde que levou a greves e a uma onda de demissões em vários hospitais públicos do país. Costa foi sempre dizendo que o pouco que há é melhor do que o que não foi feito pelo Governo anterior. E usou a mesma lógica para falar na solução Portela+1 que, por ele, não teria sido esta. Também já ensaia um argumento de campanha, tocando mesmo noutra ferida — mas esta socialista — ao dizer que afinal o socratismo não voltou, como a direita sugeria em 2015.

PSD a meia haste e Costa a provocar

Nos corredores, o PSD ia a ferver, mas no plenário nem por isso. O primeiro-ministro já discursava no púlpito do plenário e as primeiras duas filas da bancada do PSD eram as mais compostas. Lá para trás, o vazio. E assim se manteve: a meio do debate estavam metade dos deputados sociais-democratas (dos 89 faltavam 44) e só no final é que já estavam 79. No dia seguinte ao antigo líder parlamentar, Luís Montenegro, ter desafiado a liderança de Rui Rio, a prioridade social-democrata não era o debate quinzenal onde a intervenção voltou a ficar a cargo do atual chefe da bancada Fernando Negrão.

A situação interna do PSD não foi, obviamente, referida no debate parlamentar. Bom, pelo menos diretamente, já que António Costa não resistiu e a dada altura, quando os sociais-democratas presentes contestavam numa serie de apartes mais audíveis a sua explicação sobre o crescimento da dívida na saúde, o primeiro-ministro passou para a provocação: “Estão tão nervosos hoje, porque será? Estão mesmo com um problema de saúde à flor da pele”.

Saúde. Greves, demissões ou a frustração pelo socratismo que não veio?

António Costa entrou no debate a pedir consensos para os investimentos prioritários do país na próxima década, as grandes obra a serem feitas e, a propósito de tudo isso, disse até que o Parlamento receberá esta sexta-feira o Plano Nacional de Investimentos proposto pelo Governo para o horizonte 2030. Mas o que levou foram sobretudo críticas pelas insuficiências várias no setor.

Do PSD e do CDS exigia-se saber o motivo de tantas greves (Negrão) e de tantas demissões (Assunção Cristas), mas António Costa preferia apontar para o copo meio cheio de um investimento que já começou, ao contrário do que aconteceu no anterior Governo, precisamente composto por PSD e CDS. E a dada altura até recordou o que a direita dizia em campanha: que ia voltar a megalomania” e “o socratismo, para gastar o dinheiro todo e dar prioridade ao investimento público”. A mesma direita, concluiu, que agora se queixa de não haver investimento.

Aqui encostou-se à esquerda, sobretudo ao PCP onde Jerónimo de Sousa tinha pedido que o Governo aproveitasse o problema da PPP de Braga para acabar de vez com aquele contrato. António Costa concordou com Jerónimo de Sousa quanto à tentativa que dizem existir à direita para manipular o espaço público para defender as privatizações na saúde — e até se queixou da falta de “reportagens que mostrem as filas nas urgências dos privados” — , mas não foi taxativo na resposta ao líder comunista. Disse que “o Estado vai assumir a gestão [do Hospital de Braga] porque não vai renegociar um contrato que não vai continuar”, referindo-se ao contrato com a José Mello Saúde. O Observador questionou o gabinete do primeiro-ministro e o Ministério da Saúde sobre se a ideia é “internalizar” a gestão agora ou para sempre, mas não teve ainda respostas.

Aeroporto. “Não há plano B” se Montijo falhar

Não houve uma bancada parlamentar que, ao discutir o Programa Nacional de Investimentos, não falasse do aeroporto do Montijo e da ampliação do da Portela. Todos, sem exceção, perguntaram as razões para a escolha desta solução. António Costa foi repetindo, fazendo sempre um esforço por encontrar formulações diferentes, que esta era a solução possível. Para o primeiro-ministro, o segundo aeroporto da capital é um problema que já devia ter sido resolvido há 50 anos. Talvez antes houvesse melhores opções, mas hoje a do Montijo é a melhor para o Executivo e será a que vai seguir em frente.

Isto se o estudo de impacto ambiental assim o permitir. Várias vezes foi questionado sobre a possibilidade de haver uma avaliação ambiental negativa. Se assim for, estará criado um “gigantesco problema”, mas a solução do Montijo não avança. “Não há plano B”, garantiu. Assegurando que o Governo cumprirá todas as recomendações desse estudo, o primeiro-ministro conseguiu ir evitando longas explicações sobre o facto de esse estudo ainda não ter sido efetuado.

Outro tema que também levou o Governo a explicar-se várias vezes foi o da ferrovia. Às críticas de falta de investimento e de aposta num plano que pense a ferrovia nacional como um todo, António Costa acenava com o programa Ferrovia 2020 para lembrar que o seu Executivo pretendia investir a sério na ferrovia, embora não tenha sido possível ir tão longe quanto desejava. Já no discurso inaugural deste debate, Costa lembrou a compra de 22 novos comboios – um investimento de quase 170 milhões – para fazer valer o seu argumento.

Professores. Negociar é a palavra de ordem

Apesar de não ser um tema central no debate, PCP e PEV não quiseram deixar à porta do plenário um dos temas que marcaram a transição do ano político: a carreira dos professores. Recorde-se que Marcelo Rebelo de Sousa vetou a proposta do Governo e 2019 arrancou sem qualquer contabilização do tempo em que os professores viram as suas carreiras descongeladas.

Assim, os dois partidos aproveitaram o primeiro debate quinzenal do ano para confrontar o primeiro-ministro com o tema, questionando-o sobre aquilo que o Governo pretende fazer. Inicialmente, António Costa reconheceu apenas que tem sido difícil chegar a acordo. Quando foi instado a responder, depois de uma dupla insistência de Heloísa Apolónia, sobre as soluções adotadas na Madeira e nos Açores, o primeiro-ministro afirmou que as autonomias não mandam na política do Governo, desvalorizado outras opções e tentando retirar força a esse argumento. Para já, as negociações vão prosseguir e Costa garante que da sua parte existe boa fé para que seja encontrada finalmente uma solução para os professores.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rtavares@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)